Porque você não deve perder os shows do Misfits no Brasil...

por - 12:29


Texto feito por Tiago Marditu, jornalista, músico e roqueiro a maior parte do tempo...


Talvez existam poucas bandas no punk/hardcore que causam sentimentos tão ambíguos como os Misfits, que fará dois shows no Brasil ainda nesse mês de Abril, dia 15 no Festival Abril Pro Rock, no Recife, e dia 16 na Virada Cultural, em São Paulo. Há quem os odeie ou despreze com o mesmo ardor de quem os venera como uma das melhores bandas de todos os tempos. De alguma forma, é bom saber que esses shows vão trazer bem mais que cidadãos de meia idade vestidos como protagonistas de filme de terror b.

Quando surgiram, podemos dizer que o Misfits era uma banda sui generis. Ao invés das letras niliistas ou sócio-políticas de 99.9% dos outros grupos de hc, a temática deles era voltada às histórias de terror e de ficção científica. Influências notórias de rockabilly nos riffs de guitarra e nos vocais graves de Glenn Danzig, o mítico vocalista original, fã incondicional de Elvis Presley, também podiam ser sentidas; os gigantescos e caricatos topetes, os devilocks, também são uma espécie de homenagem ao visual do rocker dos anos 50. E, claro, não podemos esquecer os característicos coros “ôôôôôô” que dão um irresistível apelo as suas canções. Esse conjunto de fatores fez dos Misfits uma banda única no cenário underground da época e basicamente criadores de um estilo próprio que viria a ser conhecido depois como Horror Punk.


Tentar dimensionar a influência dos Misfits chega a ser difícil, pois, além de vasta, ela também atinge artistas dos mais variados gêneros musicais. De Metallica, que gravou "Last Caress" e "Die, Die, My Darling", até David Pajo, ex-guitarrista do Slint, que lançou Scream With Me, disco com versões acústicas para músicas dos Misfits. E a interminável lista prossegue: Guns'n'Roses, Will Oldham (também conhecido pela alcunha de Bonnie 'Prince' Billy), Entombed, Superchunk, Marduk, Nofx, Of Montreal, Hatebreed, Yo La Tengo, Pennywise, Lemonheads, Hellacopters, Dum Dum Girls, etc. Até mesmo a desgraça do My Chemical Romance fez sua versão para uma canção dos Misfits. Aqui no Brasil, bandas como a paulista Zumbis do Espaço e a pernambucana Medonhos entram no hall dos influenciados.


Entretanto, não só de devoção vive a banda. As inclinações políticas do baixista Jerry Only e de ex-integrantes como Bobby Steele e Michale Graves, todos filiados a bizarra associação de punks republicanos Conservative Punk, queimam bastante o filme deles. Fora que o fato deles serem uma espécie de “Kiss do Hardcore” e abusarem do marketing durante os anos – o próprio Jerry Only chegou até a bancar o lutador na WCW, federação gringa de Luta Livre teatral. Some isso ao fato das músicas feitas após a saída de Danzig estarem bem aquém dos clássicos dos primeiros discos e o visual cada vez mais exagerado que os transforma em figurantes das Noites do Terror de algum parque de diversões, e voilà: sobram argumentos para os detratores se refestelarem.

Controvérsias a parte, a atual formação da banda tem atrativos de sobra para compensar qualquer aspecto negativo. Mesmo contendo apenas o Jerry Only como membro original, os outros integrantes são de responsa: Robo (que já tocou na banda entre os anos de 1982 e 1988) e Dez Cadena estão, respectivamente, na bateria e na guitarra/vocal de apoio. Os nomes podem não soar tão familiares, mas trata-se nada menos do que dois membros originais do Black Flag, banda emblemática do Hardcore americano, responsável por elevar esse gênero musical a um patamar adiante em termos de peso, paranóia e inovação musical.




Então, lembrem-se dessa lição: o repertório antigo e a presença de Only, Cadena e Robo valem mais do que uma boa conferida. Afinal, trata-se de uma geração de músicos que fomentaram todo um cenário de música pesada e rápida mundo afora. E caso alguém ainda pretenda faltar essa aula de punk rock, saibam que esses professores só tem uma coisa a dizer a vocês – I’ve seein’ youuuuu....IN HEEEEEEELL!!

De lambuja, aqui vai uma seleção com algumas das canções mais emblemáticas da banda, resolvemos então fazer uma mixtape chamada A Fina Flor do Horror Punk para voce se preparar bem para os shows...


PS: Alguns anos atrás, Marky Ramone deu uma mãozinha amiga na bateria em alguns shows do MisfitS e o repertorio dessas apresentações continham altos clássicos do Ramones. Como Cadena e Robo agora estão na banda, será que rola uma sessão com músicas do Black Flag? Como eles já vêm tocando "
Thirsty & Miserable" há certo tempo, não custa sonhar alto.

Você também pode gostar

9 comentários

  1. >sei não, acho que algumas formas de ganhar dinheiro ficam meio ridículas em senhores de idade.

    ResponderExcluir
  2. >Bicho, eu ja pensei igual a voce, fui ver o queen em Sp com o Paul Rodgers e os caras tocaram mais de 2 horas e foi um otimo show. Acho que se estiverem em condições fisicas e quiserem fazer o lance, rola numa boa. Ninguem desaprende isso ai não.Logico, Queen Misfits, mas ai é minha opinião!abraço!

    ResponderExcluir
  3. >Easy E. Got A.I.D.S. From F. Mercury

    ResponderExcluir
  4. >vale lembrar que isso não é o Misfits, mas vale o registro que perdi em 2006.

    ResponderExcluir
  5. >Eu particularmente, gosto mais do black flag, espero que rolem umas 5 faixas deles por aqui. Mas vai ser um show bem divertido!

    ResponderExcluir
  6. Chris Cadillac Bill14 de abril de 2011 09:53

    >por que não é misfits? claro que é Misfits! temos Robo na bateria, baterista este que gravou clássicos como Die Die My Darling e o disco Earth AD / Wolfs Blood que contem clássicos como Devilock, Green Hell, Demonomania e Queen Wasp, Jerry Only o cara que apesar de ranzinza foi o cara que segurou a barra desde o início, e temos um guitarrista de muita responsa Dez Cadena que está nas guitarras do Misfits a 10 anos, mais tempo que integrantes como o venerado Michale Graves. Não é o Misfits conhecido pela maioria da década de 90 que muitos esperavam ver, mas sim o Misfits com a alma original underground.

    ResponderExcluir
  7. >Eu comentei, mas nem gosto do Misfits. Nem gosto do Queen tb, pra falar a verdade hsuaehua mas o q disse nem era sobre o fato de a formação atual da banda ser caça-niqueis ou não, concordo que pode ser muito honesto.Acho que aqui não é nem o lugar pra eu criticar o punk, só comentei pq acho bizarro alguém passar 30 anos com o mesmo som, a mesma postura de vida, e não passar por um natural amadurecimento. Aí começo a desconfiar que não é mais honesto... anyway, é só uma impressão mesmo.

    ResponderExcluir
  8. >então Chris, na minha opinião o Misfits é o Danzig. tive a chance de ver em 2006 com o JO e ele deu o balão. No maquinária já havia perdido o tesão. O que vale msm é o registro histórico do legado que é uns 90% do Danzig. Obviamente que msm o Jerry Only cantando 'Bullet' mal, eu vou ficar empolgado pra cacete.De todo modo, pelo meu gosto musical, eu acho a melhor fase a do Graves.abs.abs

    ResponderExcluir
  9. >Robo saiu do Misfits a pouco tempo

    ResponderExcluir