"O que eu leio e o que eu faço - Rebecca Raia"

por - 15:16


Chegamos aqui ao quinto perfil da sessão desde que comecei a colaborar com o Alt Newspaper. Desde o início a ideia era perguntar para os músicos quais eram seus livros prediletos e a influência que isso tenha tido nas suas composições ou nas referências que o seu som carregue. Por que não ampliar o leque e conversar com pessoas que não são músicos mas que tem uma relação forte ou desenvolvem um trabalho relacionado com a música?

Pensando nisso a próxima personagem de “O que eu leio e o que eu faço’ é alguém que também respira música. Estudante de Relações Internacionais, Rebecca Raia teve uma sacada muito interessante. Por ser usuária do metrô de São Paulo ela - e um antigo colaborador que não está mais no projeto - resolveu escanear os sons que habitam os fones de ouvido de quem utiliza os serviços de transporte do coração nervoso do país.

Assim surgiu o Metrophones. Uma maneira divertida de saber o quanto a música ajuda a passar o tempo e distrair quem anda pelo metrô de São Paulo. Cerca de 70 pessoas já foram entrevistadas sobre o que estavam ouvindo naquele determinado momento e o que curte ouvir em geral. São pequenos textos (em inglês e português) com uma foto da pessoa entrevistada e um link para escutar aquele som. A ideia de Rebecca é ampliar o foco, com a criação do Metrobooks, na mesma vibe do Metrophones embora se tratando de livros.

E foi sobre música e livros que conversei com Rebecca via email, confira um pouco de onde ela tira suas referências e como nasceu essa sacada inovadora que é o Metrophones:

(Bruno Jaborandy) Como surgiu a ideia de criar o Metrophones? Foi uma curiosidade em saber o que as pessoas ouviam enquanto utilizavam o metrô?


(Rebecca Raia) Surgiu de uma conversa com um amigo – que começou comigo o site e deixou agora para fazer uma coisa mais ambiciosa. Ela veio com a curiosidade: o que a pessoa estão ouvindo no metrô? É algo que muita gente se pergunta, eu acho. Começamos em janeiro, juntos, e agora toco o tumblr sozinha.

(BJ) Nas conversas que você tem com os personagem rola também de falar sobre cinema ou literatura?


(RR) Com certeza. Já entrevistei algumas pessoas que estavam ouvindo trilha sonora de filmes, ou músicas que fazem parte de alguma trilha sonora. Também já interrompi a leitura de alguns entrevistados e acabamos conversando sobre o livro. Mas cinema, literatura e música são artes interligadas é quase impossível não relacionar as três.






(BJ) Que tal com o tempo incluir também esses detalhes? Ou mesmo chegar
em alguém que estiver lendo e perguntar o que é?

(RR) O Metrobooks já existe! Eu já fiz o soft launch dele: http://metrobooks.tumblr.com/. Com o tempo vou adicionando os detalhes, embora imagino que ele se mantenha no mesmo estilo que o Metrophones, só que sem entrevistas extensas.









(BJ) Me conta um pouco sobre sua relação com a música. Já passou por tua cabeça tocar um instrumento?

(RR) Eu toco um pouco do piano, mas não levo muito jeito. Mas eu gosto de escrever, e já escrevi algumas músicas. Penso em desenvolver isso, acho que participar ativamente do processo criativo isso muda nossa forma de interpretar música, você se torna mais intimo dela. Minha mãe sempre me incentivou a usar minha criatividade, e em casa

(BJ) O que você costuma ler em seu tempo livre? Você costuma ler no Metrô enquanto se desloca na cidade?


(RR) Durante meu dia, leio algumas coisas diferentes. De manhã, no metrô, leio ficção, para me despertar e fazer a viagem passar um pouco mais rápido. No resto do dia, leio o jornal e coisas relacionadas a faculdade - estudo Relações Internacionais, por isso muita das coisas que leio para a faculdade são relacionadas com atualidades e notícias. Então, a noite antes de dormir, encerro o dia com ficção novamente. O problema é que ler não me dá sono, me deixa alerta. Então eu tenho que tomar cuidado porque senão não durmo nunca.



(BJ) Qual a relação entre música e literatura na sua opinião? Você acha que uma se alimenta da outra e vice-versa?

(RR) Com certeza, as duas coisas estão muito relacionadas. Como disse, para mim são artes interligadas. Presto muita atenção na letra das músicas que escuto, busco até saber quem são as influenças literárias dos meus músicos favoritos. Enquanto leio um livro, busco trilha sonoras perfeitas para acompanha-lo. Por isso acredito que um influência - e muito - o outro.

(BJ) Já teve uma banda que, pelas referências que tem, te fez querer ler algum livro?


(RR) Ah, sim. O mais recente é a lenda de Ys - uma cidade mística que foi construída na costa da França e depois sumiu no mar. Ys é o nome de um dos álbuns da minha cantora favorita do momento, Joanna Newsom. Depois que fui pesquisar um pouco o que Ys queria dizer descobri que, na verdade, é um tema recorrente na minha vida, eu só não tinha percebido. É a inspiração de uma composição do Claude Debussy: La Cathédrale engloutie. E no livro Possession, da A.S Byatt existem algumas referencias a lenda. Já havia lido algumas coisas da autora, mas fui atrás dessa obra e gostei bastante. É engraçado como algumas coisas passam batido em nossas vidas, e a Joanna Newsom me fez abrir os olhos para Ys.

Também The Oedipus Cycle, do Sophocles, que eu li não só por indicação de um professor, mas também por causa da música Oedipus da Regina Spektor.





(BJ) E o contrário? Já teve algum livro que te fez querer ouvir uma banda?

(RR) Já. Acho que é mais raro, mas lembro que quando li A Tempestade, do Shakespeare, alguém me indicou uma música The Island, do Decemberists, que é sobre a ilha descrita na peça. Foi legal porque eu participei de uma produção dessa peça e nós ouvimos a música durante os ensaios. Marcou bastante a época. Quando eu li High Fidelity, do Nick Hornby, ouvi com cuidado cada música que ele menciona no livro. Acho que todo mundo acaba fazendo isso, sabe, procurar a música que é mencionada no livro.


(BJ) Agora é o momento Rob Fleming: quais são os cinco livros que você mais curte? E os cinco cd's?


(RR) Cinco Livros:

1- Extremamente Alto e Incrivelmente Perto - Jonathan Safran Foer

2- The Gift of Asher Lev - Chaim Potok

3- A História do Amor - Nicole Krauss

4- A Insustentável Leveza do Ser - Milan Kundera

5- O Velhor e o Mar - Ernest Hemingway

Cinco CDs:

1- Have One On Me - Joanna Newsom

2- The Freewheelin' Bob Dylan - Bob Dylan

3- The Mystery Production of Eggs - Andrew Bird

4- Room on Fire - The Strokes

5- xx - The xx




Você também pode gostar

0 comentários