"Seriam os carros os novos dinossauros?"

por - 14:29





Não precisei ler o jornal ou ligar a televisão pra ver o estrago que foi a batida que rolou aqui em São Paulo, só precisei dar uma andada pelo bairro. Cara, que batida foi aquela! Um carro daqueles que você só consegue ver jogando videogame todo arrebentado, talvez como você arrebente no videogame também. E uma vítima. Essa com certeza não rola no videogame, porque era de verdade. Ironicamente, dá pra dizer que tudo aconteceu num piscar de olhos.

Quando esse tipo de notícia pipoca pela mídia, vem junto toda aquela preocupação de mãe que os jornalistas fingem que tem: “será que as ruas são seguras?”, “será que podemos andar com nossos carros com tranqüilidade?”, “e por que não pode ser preso o condutor do carro que provocou o acidente?”. Tanta pergunta e nenhuma resposta. Típico de jornalista... mas que raça, hein!

E eu fico pensando como eu fico nessa história toda. Apesar de ter carteira de motorista, dirijo pouco. Somente em situações de emergência, tipo quando meu pai tá de fogo ou quando finge que tá com dor de barriga pra não ir ao mercado. Ah, e tem um detalhe: eu dirijo BEM DEVAGAR. Confesso, às vezes pra provocar. Uma vez, uma viatura da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) buzinou freneticamente pra poder passar no sinal amarelo. Nessas horas eu fico confuso, mas faço o que todo bom motorista faria: xingo muito por motivo nenhum.

Parado num farol, enquanto pensava nesse lance do acidente e posteriormente nessa pequena crônica, comecei a imaginar como era o trânsito de dinossauros na terra. Será que rolava muita pancada? Eles eram grandes, rápidos e alguns tinham condição de bancar o seguro, então comecei a viajar nessa onda. E imaginem só que estrago eles não fariam se já rolasse barzinho na época deles. Os velociraptores não poderiam correr depois de tomar um chopp, caso contrário, iam ser o real motivo da extinção. De qualquer maneira, sendo dinossauro ou carro, sabemos que a liberdade custa menos que o fim das formas de vida existentes.


Você também pode gostar

0 comentários