Pra não dizer que eu não falei da Amy: Os 5 reflexos do pós-morte.

por - 13:44

Eu aposto que algum amigo seu já veio te contar muito animado no facebook: Ei cara, a Amy morreu com 27 anos cara, mais um pro clube dos 27, cara, mais um! E você provavelmente já ouviu alguém da sua familia dando aquele longo suspiro e dizendo: - Ah, mas eu já sabia, o crack mata mesmo! E eu aposto mais ainda que alguém do seu trabalho fez a mesma piada que faria pro Maradona envolvendo "pó e carreira" em qualquer ocasião na qual tivessem a oportunidade de fazê-la, mas queridos amigos, lamento em dizer que essa talvez não seja a pior parte. Eis aqui os cinco reflexos do pós morte mais insuportáveis e previsíveis de Amy Winehouse:


1 - Vai vender que nem água:
Não que alguém ainda se surpreenda com essa fato, esse é de todos talvez o reflexo mais justificável, ele questiona todo o âmago de valorização individual que a gente dá pra pessoas em geral e obviamente pros ícones. Por isso, não se surpreenda se em algum momento você se pegar ouvindo incessantemente Rehab e pensar "Poxa Amy, você deveria ter dito yes, yes, yes". O ponto, é que isso também gera impactos na indústria, querido leitor, porque onde você enxerga a morte de um "grande Diva", os empresários enxergam dvds vendendo feito água nas lojas de departamento tal qual os "Greatest Hits do Michael Jackson" ou a coletânea "Disco Music dos Bee Gees" que a sua mãe põe pra tocar domingo de manhã. Alguns artistas, especialmente os menos produtivos, valem mais mortos do que vivos, não que eu esteja sugerindo assasinato.

2- A Santificação:
Esse ponto é bem óbvio, não é? morreu? Santificou! Virou instantaneamente lenda, virou gênia, ninguém nunca fez nada igual, alguém aí quer apostar como vão fazer um filme sobre ela? E olha, não que ela não mereça, puta disco bom esse Back to Black, não dá pra negar, mas também é normal que depois da enxovalhada de piadas com drogas, xingamentos e especiais na globo lamentando a morte da maior voz do século XXI, haja uma comoção geral entre as pessoas. E altamente financiada pela mesma mídia que a perseguia, por isso, não estranhe se pegar aquela sua amiga emocionalmente instável citando fragmentos de letra da Amy no status do Facebook sem o menor sentido.



3 - Os Junkies choram/Luciano Huck é mau pega um pega geral:
Num momento crucial de perda como esse, é necessário manter-se imune aos discursos moralistas, porque acredite, qualquer um tem uma mensagem "especial" pra passar sobre a morte de um famoso. Você vai ouvir aquele seu amigo meio estranho da época de colégio, que apesar de já ter passado dos vinte e poucos, ainda usa foto do kurt kobain nas redes sociais, dizer que o espirito do rock acabou, que os bons morrem aos 27, que já não se fazem junkies como antigamente, da mesma forma que você vai ouvir o contrário varias vezes. Mas entretanto, prevejo que esses serão tempos difíceis para os viciados em qualquer tipo de droga. Debates acalorados em programas da tarde na televisão vão fazer a sua avó cheirar as suas roupas pra saber o que você anda fazendo e provavelmente até você mesmo (que teoricamente não se droga) se sinta culpado por tomar uma cervejinha a mais de vez em quando. Porém é necessário impermeabilizar-se, a morte na ótica do ser humano em geral é assustadora, e o Luciano Huck vai querer fazer você largar o churrasco do sábado a tarde pra constituir uma familia e ser feliz. Uma dica: Mantenha suas opiniões intáctas aos ataques midiáticos, mas questione o que é certo e errado pra você.

4 - Me dá imagens, eu quero imagens, põe na tela:

Como até agora não se sabe a causa exata da morte, vão surgir imagens absurdas no decorrer das semanas, quissá montagens mórbidas tal qual Michael e Osama tiveram direito, porém muito cuidado com esse tipo de material, aliás qual é a graça de ver o corpo mesmo? No máximo, clicando nesse tipo de link você vai conseguir pegar aquele vírus esperto pra deixar seu computador mais lento ainda. Previsão de programa dedicado a mostrar as últimas horas da cantora com direito a reconstituição de bonecos sem rosto em animação 3D.

Por quê Ana Maria, Por quê?

5 - Maquiagem escrota e homenagens em geral:
Acho que a imagem fala por sí mesma, entretanto vale a pena adverter, se você frequenta qualquer tipo de festa, ou assiste a qualquer programa na televisão, esteja desde já preparado, surgirão os mais bizarros remixes, e diferentes "personalidades" tornando aquela maquiagem escrota e o topete/penteado, tendência entre adolescentes novamente com uma força nunca antes vista. Acho que no mais dá pra tirar de letra, o que mais vai fazer falta é a música da Amy e não os escândalos. E de verdade só lamento, ainda acho que ela deveria ter lançado um terceiro album, e já espero desde já o CD póstumo com gravações caseiras super masterizadas pela gravadora, pra fazer render até o último centavo.

Não se enganem, existe muita vida no pós morte musical.

Você também pode gostar

4 comentários

  1. >Finalmente um texto/alguém que não aguenta mais ouvir falarem de (insira um artista que morreu aqui). Quer lamentar, entra numa sala do bate papo UOL. Grato.

    ResponderExcluir
  2. >Embora o buraco seja mais embaixo, não é Onirê?

    ResponderExcluir
  3. >Eu acho que esse texto cabe em quase todas as mortes e a forma como a mídia lida com ela, é natural e igualmente muito chata. Chutar cachorro morto é fácil.

    ResponderExcluir
  4. Samanta A. Ribeiro27 de julho de 2011 18:42

    >A unica coisa boa da musica da Amy eram os arranjos, se ela não tivesse na banda até iria no show

    ResponderExcluir