"A televisão e a sua habilidade em ser decadente"

por - 15:39



Desde quando temos isso em nossas vidas mesmo? Uns sessenta, setenta anos? Algo em torno disso. Cara, o ser humano foi longe quando fez essa parada. Digo, mais longe do que quando fez os cones de trânsito e os canudinhos dobráveis. Esta, como diria o meu avô, “caixa mágica barulhenta” já foi a última palavra em tecnologia. Hoje em dia, ela é a última palavra em sistema de ensino e amanhã pode ser a última palavra em decadência.

E pensando bem, essa decadência começou aproximadamente com o surgimento da internet. Daqueles tempos em que a internet caminhava com todo aquele conteúdo interativo que só podia ter quem assinava UOL, BOL, AOL ou qualquer outro provedor discado da época. E todas aquelas tardes pagando PULSOS e com a sua mãe reclamando porque a linha do telefone gritava feito uma bruxa na fogueira. A partir daqueles tempos, a televisão começava seu declínio de qualidade, que já era bem questionável, até chegar aos tempos de hoje.

Algo que talvez ainda não tenha ficado claro é o real sentido de “decadência” neste texto. Usando esta palavra, até parece que a televisão é extremamente apelativa e preocupada somente com televisores ligados e não com uma programação de qualidade para o telespectador... ei, espera aí! Acho que agora sei do que eu mesmo estou falando.

Porém, não dá só pra meter o pau na televisão, afinal, foi graças a ela que eu descobri pra quê eu tenho um. E é até uma história curiosa. Em minha juventude mais tênue, estava eu um dia conversando com um primo, que falava sempre sobre um tal de “Cine Privê”, de um extinto canal pago. Curioso, mal podia esperar pra entender do que estava falando. E eis que entendi. Devo dizer que foi bastante útil, lembrando que minha época não era provida do material que a criançada tem hoje. Atualmente, basta abrir a janela e a criançada descobre de onde veio, como fazer, como evitar fazer e como enganar a parceira (ou parceiro) dizendo que tentou evitar fazer.

Mesmo com seus pontos altos e baixos, a televisão tem seus prós e contras, obviamente, porém acho que o que delimita sua decadência a meu ver se destaca especificamente nos dias de hoje. Sendo a internet uma réplica de Mad Max sem a Tina Turner, percebe-se que a interatividade neste campo é bem maior que na televisão, com sua censura incisiva e seus merchans intermináveis. Mas o que venho acompanhando involuntariamente é a falta de conteúdo de um lado colidindo com o outro. A falta de assuntos interessantes que a televisão deixa de cobrir para dar espaço a gente que não tem o que dizer. Exemplos práticos: vloggers e celebridades de internet. Nada contra eles, exceto quando se candidatarem a algum cargo na política. Sim, política. Finalizo com esta profecia: eles vão querer muito mais em breve.




Você também pode gostar

0 comentários