Experimental nacional para exportação

por - 17:18





Entenda o que é a música experimental e porque músicos brasileiros estão saindo do país para apresentar suas canções e improvisações mesmo fora da grande mídia



Notas tor­tas, ins­tru­men­tos pouco con­ven­ci­o­nais para criar música, efei­tos ele­trô­ni­cos dos mais vari­a­dos pos­sí­veis, ruí­dos vis­tos como com­ple­men­tos para as can­ções, vocais que não se pre­o­cu­pam com a esté­tica que se popu­la­ri­zou como música, alguns ver­sos ape­nas fala­dos, isso quando há alguma letra para ser can­tada. No meio de tan­tas regras, seria no mínimo impro­vá­vel que não hou­vesse a que­bra delas, e a par­tir disso, nas­ceu a dita música expe­ri­men­tal. A cres­cente for­ma­ção de pro­je­tos, gru­pos e ban­das desse gênero fez com que exis­tisse um novo pano­rama neste estilo musi­cal: o mer­cado inter­na­ci­o­nal pas­sou a se inte­res­sar por músi­cos bra­si­lei­ros e come­ça­ram a apa­re­cer con­vi­tes para apre­sen­ta­ções em diver­sos países.


Guilherme Granado, Bodes & Elefantes


Com o avanço dos meios de dis­tri­bui­ção de mídias, ins­tru­men­tos melho­res, sin­te­ti­za­do­res, com­pu­ta­do­res pos­si­bi­li­tando ao músico a opor­tu­ni­dade de criar efei­tos, baru­lhos e qual­quer som estra­nho, fez com que o expe­ri­men­ta­lismo da música naci­o­nal cres­cesse. Hoje, o Brasil conta com inú­me­ras ban­das e gru­pos desse estilo. Bodes & Elefantes, pro­jeto ide­a­li­zado por Guilherme Granado que toca na Hurtmold e acom­pa­nha Marcelo Camelo (ex-vocalista do Los Hermanos) em sua car­reira solo, é uma das ban­das que se apre­senta e leva toda essa maneira não-convencional de se criar música para os locais mais diver­sos pos­sí­veis: cen­tro cul­tu­rais, tea­tros e casas de shows mais con­ven­ci­o­nais. “Eu fui com­pondo em casa, gra­vando e em um certo momento achei que tinha um disco no meio daquilo tudo. Foi natu­ral. Bem orgâ­nico. Agora a coisa tomou vida própria”.


Labirinto na Tour USA/Canada

Além de se apre­sen­ta­rem den­tro do país, con­se­gui­ram algu­mas opor­tu­ni­da­des para via­ja­rem e expo­rem seus pro­je­tos em outros locais. A banda Labirinto, que faz um som mais cal­cado no post-rock (estilo ins­tru­men­tal que mis­tura efei­tos ele­trô­ni­cos, jazz e rock) via­jou ao Canadá e aos EUA no mês de junho em um dos mai­o­res fes­ti­vais de música inde­pen­dente des­tes paí­ses e parece não se segu­rar, como diz Erick Cruxen, gui­tar­rista do grupo: “Estamos ansi­o­sos, mas muito feli­zes e gra­ti­fi­ca­dos com essa turnê. Espero que vol­te­mos ao Brasil, vivos e intei­ros”. Outros músi­cos que via­ja­ram recen­te­mente para se apre­sen­tar tam­bém nos EUA, no fes­ti­val SXSW, um dos mai­o­res do mundo, foram os do sep­teto mineiro Constantina, que cria atmos­fe­ras sono­ras e ima­gens men­tais com suas músi­cas ins­tru­men­tais que che­gam a ter dura­ção de mais de 14 minu­tos. Daniel Nunes, bate­rista do grupo, disse que a recep­ção do público estran­geiro foi ótima. “Acreditamos que a sono­ri­dade e varias ideias do Constantina dia­lo­gam muito bem com a pro­du­ção musi­cal rea­li­zada por lá!”. O bate­rista tam­bém dá os cré­di­tos desse estilo naci­o­nal estar indo para fora do país a duas ban­das, a pau­lis­tana Hurtmold e a cui­a­bana Macaco Bong: “Com várias por­tas aber­tas por eles, isso tudo nos mos­trou a pos­si­bi­li­dade de uma pos­sí­vel car­reira sus­ten­tá­vel de tra­ba­lhos artís­ti­cos que não depen­dem de um grande cir­cuito comer­cial”, diz Daniel.“No fim das contas não dá pra dizer que o Merzbow ou o Keiji Haino venham a frequentar rádios populares, mas pelo o que anda acontecendo, o mainstream já tá sendo cutucado.”




  Barca by sobreamaquinaAo ver e se inte­res­sar pelo estilo, mui­tas pes­soas aca­bam come­çando a criar e fazer parte deste gênero, até os mais jovens, como é o caso de Cadu Tenorio de 23 anos, da banda cari­oca Sobre a Máquina, que toca teclado, sin­te­ti­za­dor, drum machi­nes e até mesmo um ven­ti­la­dor par­ci­al­mente des­mon­tado que, quando colo­cado uma moeda no meio do sabugo, faz som de meta­lúr­gica. Com um disco lan­çado no fim de 2010 e outro a cami­nho, com pre­vi­são de sair ainda esse ano, o Sobre a Máquina é um exem­plo de uma banda da “nova gera­ção do expe­ri­men­tal” e para Cadu a grande res­pon­sá­vel por isso é o acesso a rede que mui­tas pes­soas pas­sa­ram a ter: “Com cer­teza não teria acesso a muita coisa que gosto sem a inter­net, não conhe­ce­ria nem metade das ban­das que conheço. E isso limi­ta­ria meu som“, diz e com­ple­menta: “Pra divul­ga­ção, é uma fer­ra­menta sem a qual minha banda e outros pro­je­tos pro­va­vel­mente não con­quis­ta­riam um espaço abran­gente, limi­ta­ria mesmo”. No grande cir­cuito comer­cial algu­mas ban­das vêm expe­ri­men­tando mais, como o Radiohead e o Animal Collective que mes­cla vocais pops com tex­tu­ras e bases rui­do­sas e afirma: “No fim das con­tas não dá pra dizer que o Merzbow ou o Keiji Hainovenham a fre­quen­tar rádios popu­la­res, mas pelo que anda acon­te­cendo, o mains­tream já tá sendo cutucado”.






Herod Layne




Para o com­par­ti­lha­mento desse tipo de música, Elson Barbosa, bai­xista de uma banda do gênero, a Herod Layne, criou um selo vir­tual cha­mado Sinewave que conta com vários gru­pos expe­ri­men­tais. Neste site, Elsondis­po­ni­bi­liza gra­tui­ta­mente álbuns, eps, demos e sin­gles para serem bai­xa­dos gra­tui­ta­mente com o con­sen­ti­mento da banda e orga­niza alguns fes­ti­vais den­tro de vários esta­dos. Elson tam­bém opi­nou sobre o mer­cado naci­o­nal deste gênero estar indo para alguns paí­ses: “Qualquer ação que exporte arte bra­si­leira para outros paí­ses é sem­pre válida”.

Arte feita por João Filho



João Filho
é um dos fundadores de um dos mai­o­res blogs de down­load de música expe­ri­men­tal da inter­net, o ExperimentalEtc que foi cri­ado em 2007 e tem cerca de 4000 dis­cos pos­ta­dos que variam desde músi­cas ira­ni­a­nas da década de 30 a expe­ri­men­ta­ções rui­do­sas de duos de noise, como o Tropa Macaca. “Em 2007 uns conhe­ci­dos da web com gosto em comum para música avessa encon­tra­vam certa difi­cul­dade para che­gar até alguns regis­tros sono­ros, mas con­se­guía­mos tro­car uns links, daí foi seguir o boom dos blogs de down­load e dar iní­cio a nossa morada den­tro da blo­gos­fera. Em suma, o blog nas­ceu de uma lacuna”.Apesar de pouca difun­dida entre o mains­tream (como é cha­mado o grande cir­cuito comer­cial de música) a música expe­ri­men­tal ganhou nos últi­mos 10 ou 12 anos uma nova pers­pec­tiva den­tro do país, pas­sou a tornar-se inte­res­sante aos olhos estran­gei­ros e por con­sequên­cia, come­çou a levar músi­cos bra­si­lei­ros para apre­sen­ta­ções nos EUA, Canadá e Europa. Por não fazer parte de gran­des indús­trias, criou tam­bém uma nova ideia de mer­cado den­tro dessa ‘cul­tura’, aonde ele já não existe como um comér­cio e o con­teúdo (CDs, EPs e demos).

*Texto produzido na faculdade, antes da tour do Labirinto nos EUA/CANADÁ e do lançamento do Areia, disco da banda Sobre a Máquina.

Você também pode gostar

4 comentários

  1. >legal a materia, é bom saber que tem gente fazendo música com o vies da espontaneidade e da delicadeza e que enfim nem tudo esta perdido, né verdade?gostaria de saber se vcs tem uma relação naturalmente de músicos e etc que trabalham conjuntamente com a linguagem virtual e programacao.

    ResponderExcluir
  2. >Linguagem virtual voce fala em VJ?! Algumas bandas usam a imagem como apoio no som sim, e algumas programações. Não tem bem uma lista, lembro de alguns nomes que participaram do Dis Experimental (tem aqui as programações das tres edições do evento).

    ResponderExcluir
  3. Lance mal escrito demais. Foi mal aí.

    ResponderExcluir
  4. Diego Albuquerque7 de abril de 2012 19:52

    Nada contra critica, se ela for construtiva.



    voce achou o texto mal escrito porque?!

    ResponderExcluir