Do que eu falo quando falo de correr ouvindo música

por - 15:22




Quem corre sabe como é a sensação de terminar um percurso em meia hora. Difícil de explicar porque é tão bom. Falar que é por causa das endorfinas é triste, na verdade. Para mim é a mesma coisa que explicar a paixão e o sexo dessa forma científica aí. Vamos guardar a ciência para onde ela é necessária. Nossos hobbies e paixões podem ser explicados da forma mais poética possível.

Só sei que quando eu corro me envolvo em três atividades prazerosas: o correr em si, contemplar o mar da cidade mais linda do planeta Terra e ouvir música. A razão de escrever esse texto é explicar como, pelo menos para mim, correr é altamente associado com música. Se você de repente quer começar a correr eu vou indicar alguns playlists que podem te ajudar nesse pontapé inicial. Foram as músicas que me ajudaram a quebrar a barreira dos sete minutos.

Logo eu, que fui gordo por mais da metade da minha vida, que não achava que ia conseguir correr tanto um dia, hoje consigo correr por mais de uma hora ininterruptamente. Totalmente ajudado pela música, é claro. No livro “Do que eu falo quando falo de corrida”, de Haruki Murakami ele fala que para ele também foram essenciais os sons que ele ouvia enquanto corria no Japão e nos EUA. Tudo bem que o cara é japonês e tal, povo altamente conhecido pela disciplina com que realizam suas atividades, e já correu até uma ultramaratona (100 km!!!!!). Não sou nenhum oriental e nem curto os sons que ele ouvia para correr. Que Eric Clapton que nada! Isso é som para ouvir na casa daquele tio seu que era roqueiro na adolescência. Sou mais dos sons pulsantes e moderadamente rápidos. Para falar sobre esses sons resolvi dividir em 3 categorias: sons que ouço em casa e também correndo, sons que só ouço quando estou correndo, sons que eu tenho uma certa vergonha de ouvir mas são massa de ouvir correndo.











Murakami dando umas carreirinhas por aí



Sons que ouço em casa e também correndoPara falar sobre essa categoria eu tenho que começar falando sobre uma banda que, sem exagero algum, mudou a minha vida: Alkaline Trio. Para falar a verdade eu passei muito tempo ouvindo algumas pessoas falando sobre essa banda mas não dei muita bola, até o dia em que resolvi baixar um cd e foi paixão a primeira audição. Mais ou menos nessa época, cerca de 4 anos atrás, foi a primeira vez em que eu resolvi correr a sério. Comecei desajeitado, com tênis inadequados e fui pouco a pouco entrando numa vibe de querer que isso fizesse parte da minha vida. Quando ouço o “Good Mourning”, do Alkaline, me vem logo a memória esse começo. Esse disco tem três músicas perfeitas para o esporte: “This Could be Love”, “We’ve Had Enough” e “Continental”, embora todo o disco seja impecável. Minha paixão pelo AT é tão grande que ano passado tatuei o logo dele nas minhas costas. Musicalmente eles encontraram um equilíbrio entre o obscuro e o romântico, entre o peso e a melodia, que é bem representado pelo logo deles: um coração com uma caveira no centro. Meu fascínio por esse símbolo me fez querer levar ele na pele pro resto da vida, além de marcar meus esforços na corrida.













Matt Skiba e Dan Andriano, as duas vozes do AT



Já tentei ouvir sons associados aos esportes radicais, principalmente do hardcore californiano, como Nofx, Pennywise e Lagwagon mas não recomendo. As músicas rápidas podem te fazer acelerar na corrida e perder o fôlego rápido demais. Tem duas bandas com uma vibe mais hardcore que eu recomendo: Dropkick Murphys e H20. Sons bons de ouvir quando se corre.
No campo do Heavy Metal eu corri muito ouvindo Metallica. Do primeiro eu curto “One”, “For Whom the Bell Tolls” e a mais nova “The Day That Never Comes”. Ouvir Motorhead é um perigo, e eu só recomendo para aqueles três minutos finais em que você acha que não vai agüentar mais. “The Ace of Spades” faz você alcançar sua meta.Tem uma banda alagoana, que agora mora em São Paulo que também é perfeita para correr: a Neon Night Riders. O cd dos caras é cheio de hits de eletrorock, que te deixam na instiga de correr.




Hard Rock é perfeito para correr. Hellacopters e a brasileira Black Drawing Chalks são muito pertinentes nessa hora. Danko Jones e Vespas Mandarinas, além do Forgotten Boysestão no meu playlist atual.
Então meu playlist mais rock, digamos, ficou mais ou menos assim:



1.“Continental”- Alkaline Trio

2.“We’ve Had Enough”- Alkaline Trio

3.“This Could be Love”- Alkaline Trio

4.“The Warrior’s Code”- Dropkick Murphys

5.“What Happened” – H20

6.“Invisible”- Danko Jones

7.“One” – Metallica

8.“The Day That Never Comes”- Metallica

9.“By the Grace of God” – Hellacopters

10.“My Favorite Way” – Black Drawing Chalks

11.“The Ace of Spades”- Motorhead Sons que eu só ouço quando estou correndoCorrendo eu descobri que certas bandas são boas. Não vou ser hipócrita aqui: Eu achava Rush uma merda. Comecei a me envolver com música escutando punk rock e hardcore. Para quem vem dessa escola todo e qualquer virtuosismo é logo considerado ruim. Assim eu passei muito tempo xingando a banda, principalmente com o pessoal de Arapiraca, que é fã dessa coisas virtuose até hoje. Mas naquele filme “Eu te Amo Cara” eu ouvi a música “Limelight” e comecei a abrir a cabeça para ouvir Rush. Descobri que é uma banda de progressivo com um lance meio punk. Depois baixei o hit (pelo menos no Brasil) “Tom Sawyer” e inclui na minha playlist também. Gosto muito de Rush hoje em dia, mas ainda não é uma coisa que eu pare para ouvir em casa.




Algumas bandas e cantores de hip-hop também fazer parte dessa categoria. Principalmente o NWA que são mestres da rima e criadores de muita coisa que veio depois. Mas é difícil eu parar para ouvir os caras em casa. Já correndo eu sempre curto ouvir: “ Straight Outta Compton” e “Fuck the Police”. Gosto muito de ouvir também o cara mais ególatra do mundo, o americano Kanye West. Sempre rio quando lembro da minha frase preferida dele: “Minha maior frustração é não poder assistir a um show meu na platéia”. Nem se acha o cara, né? O lance é que ele faz uma coisas legais, que antes eu até ouvia em casa, mas hoje só ouço correndo, como “Love Lockdown” e “Heartless". Um cara que é muito bom também é o Jay-Z e eu sempre ouço “Encore”. O lance é que ele está na próxima categoria também.
No campo das doideiras eu curto muito ouvir Gogol Bordello correndo. Só tenho que tomar cuidado para não sair pulando pelo calçadão ouvindo “Not a Crime” e a versão de “Mala Vida” do Mano Negra. Som de doido ucraniano.






Vamos lá ao playlist do que eu só ouço quando corro:




1.“Limelight” – Rush

2.“Tom Sawyer”- Rush

3.“Straight Outta Compton” – NWA

4.“Fuck the Police” – NWA

5.“Love Lockdown”- Kanye West

6.“Heartless”- Kanye West

7.“Encore” – Jay Z

8.“Not a Crime”- Gogol Bordello

9.“Mala Vida”- Gogol BordelloSons que eu tenho uma certa vergonha de ouvir mas são massa de ouvir correndoJá começo essa parte sabendo que tem gente que vai tirar onda da minha cara. Mas tudo bem. São os ossos do ofício (falar nisso alguém se lembra daquele personagem do Maurício de Sousa, aquele esqueleto que chamava “Ofício”, até hoje acho isso engraçado). Meu compromisso é em falar a verdade. Haha. Descendo na escala dos chamados guilty pleasures vem a primeira, quase uma piada, mas é verdade: “Eye of the Tiger” do Foreigner.

Pô, correr ouvindo isso é clássico. É quase como ouvir “Fuel” do Metallica em uma prova de automobilismo. Milhões de propagandas já foram feitas usando como trilha a música que ficou famosa no filme “Rocky”. Quem já correu ouvindo sabe que funciona muito. Só tem que ter cuidado pra não ficar cantarolando a letra por aí e passar vergonha na frente da galera que corre.







Outras vergonhas que eu tenho são muito pop. Mas muito pop mesmo. Uma que eu sempre ouço é “Empire State of Mind”, aquela parceria do Jay Z com a Alicia Keys. Ei, velho, a música é massa, na moral. Outra é ridícula, eu sei, mas eu não consegui evitar. Eu odeio Linkin Park, mas o disco que eles fizeram com o Jay Z é bem bom. Principalmente o mashup de “Numb” com “Encore”. Recomendo muito ouvir correndo isso. Mas vergonha mesmo vai ser a próxima. Daquelas de dizer no divã do psicanalista: eu gosto de correr ouvindo NX Zero. Pior que isso. Eu gosto de correr ouvindo o “Projeto Paralelo”, do NX Zero. Velho, é instigado o lance. A parceria deles com o Emicida ficou massa, aquele drum n bass com o AggroSantos também. Tem todas aquelas frases de auto-ajuda que você só entende se for administrador ou esportista: “cedo pra parar, tarde pra resistir”, entre outras. Guilty pleasuresque eu não tenho problema em compartilhar.
Essa não tem playlist, não tenho coragem de escrever de novo isso. Haha. Keep running!

Você também pode gostar

5 comentários

  1. Manoel Henrique Juni4 de setembro de 2011 12:35

    >Que massa, já to baixando algumas pra corridinha de amanhã.Quando eu comecei a correr era sempre White Stripes. Depois teve At The Drive In, o Relationship of Command. Até hoje quando escuto lembro das passagens que percorria em cada música. Acho um discaço pra correr.Depois entrei na onda de mixtape. Ia separando músicas que achava que seria legal pra correr e depois jogava tudo no shuffle. E aí entrou esses Guilty Pleasure. E não tem como fugir de Eye of The Tiger. Hahaha.Obs: nem escrever essa parte por causa da vergonha, mas Gold Digger do Kanie West na versão de Glee ficou foda pra correr! Sério mesmo. Abraço e gosto bastante do blog.Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. >caralho guilty pleasures pesados aí, hein, brunão? huahuahuahuauha

    ResponderExcluir
  3. >Eu curto um árcade fire , as mais nervosas claro!! Um radiohead ou stooges instiga a velocidade da corrida também fazendo-a um sonho videocliptico, digamos assim.

    ResponderExcluir
  4. tara perdida vale a pena ---musica lambe botas

    ResponderExcluir