Os 5 maiores momentos WTF do ano de 2011 por Welker Lisboa

por - 18:17






É amigo, 2011 tá acabando assim como a minha cartela de remédio pra parar de ouvir as vozes.  Não me limitarei àquele clichê de fim de ano, onde o cara diz “e que venha 2012 que eu tô preparado!”. Não, eu não estou preparado,  principalmente se este for igual a 2011. Tamanho é meu despreparo que a minha lista é exatamente pra dizer os motivos pelos quais eu não estou preparado pra 2012 em um top 5 de bizarrices que rolaram este ano e que tivemos que engolir como se fosse a mais oleosa galinha frita de padaria.




5. O triunfo do jornalismo “tá errado, é culpa sua!”: Desde as tentativas de entender o porquê do Travis Brickle carioca sentar o dedo aleatoriamente na criançada, até uma cobertura de merda de um protesto dividido entre cinco playbas curtindo a marola e um movimento sério quase que invisível para a mídia. Isso sem contar as capas de revistas ditas sérias, que muito me faziam lembrar a revista MAD, com seu sarcasmo quase doentio e suas piadas de me fizeram rir de tanta raiva. Ora, por que ser covarde e dar indiretas? ESTOU FALANDO DA MERDA DA VEJA. Estou calmo oi. Mas enfim. O que é mais bizarro nisso tudo é que a mídia vive preocupada em atribuir culpa aos acontecimentos. Acredito que os únicos culpados pelas grandes merdas que ouvimos é de vocês mesmos, senhores jornalistas preguiçosos. Melhor do que culpar é procurar saber o que realmente aconteceu e divulgar isso. Mas enfim... eu tô dando ibope pra esses porras ainda mesmo.



4. Vida loka parte 3 – perdido na brinquedoteca: E o rap? O que rolou com aquele som que só gente malvada ouvia? Parece que ele a galerinha do playground começou a ouvir o que o mano cabuloso que canta rap como se estivesse pregando na igreja fala. Mas veja bem, não que eu esteja achando isso ruim. Tem seu lado ruim, mas é bom que ao menos aquele preconceito imbecil, que ainda existe, em relação a pessoas e estilos musicais vai diminuindo cada vez mais. Se bem que machuca ouvir o moleque do bairro nobre cantando Nego Drama do Racionais. Mas aí é coisa minha... nada que uns meses de terapia não resolvam. E falando em nego, o que dizer do Criolo? A celebridade do momento, que cantou com o Drácula da música brasileira, Caê, e agora tá na boca de todo alt descolado que acha que rap é invenção dele. “Salvação da música”, você me diz? Então o salvamento da música precisa de salvação. Nada contra o Criolo, que tem seus méritos, mas acho que tá na hora de parar de esperar um Jesus tocando guitarra.




3. O “descobrimento” do Brasil e sua nova fonte de exploração: Esse ano também foi o ano em que os gringos nos redescobriram como nação que porta dinheiro no bolso... ainda que não seja muito. Alguém devia avisar a eles que a gente é tipo aquele primo seu que diz que tem grana só pra ficar bem na fofoca de família, mas que na verdade tá passando limão no sovaco pra economizar o desodorante.  Shows extremamente caros porém, quase metade deles nem corresponde ao preço. E agora vem outro festival gringo que só fala alto porque é caro, mas que nem tá com tudo isso de atração que valha o preço exorbitante. E enquanto isso, no underground nacional, nego tá lutando pra ter dez contos de réu pra comprar palheta pra tocar. Esse mundo ainda vai dar certo... espera só. E sem rancor, ok?



2. Sobre os "gênios que nos deixaram" (SIC): Uma pá de gente morreu esse ano. Até aí, sem novidade. Uma verdadeira GALERA morre e nasce todo ano, porém, é foda quando um ou dois dessa galera que morre são famosos ou conhecidos por algo maior do que arrotar o alfabeto (meus quinze minutos de fama acabaram). Só pra ilustrar, Steve Jobs, Amy Winehouse e aquele negão classe do Miami Vice morreram e todos ficaram muito tristinhos buá buá (exceto pelo negão classe, que eu APOSTO que você não sabia que tinha morrido). E aí todos sentem saudade de seus feitos e do quanto eles ajudaram a comunidade. Apesar de não terem ajudado. Um deles criou uma empresa famosa e a outra bebeu, cheirou, fumou e comeu. E é só. Mas em relação aos outros, bem, é difícil listar aqui, mas sabemos que nada disso muda o fato de que foram embora, então sossega aí vai. Você tem o direito de ficar triste pela morte deles, mas por favor, supere isto!


1. Sobre a vitória do império do WTF:  Esta foi o ápice do WTF. Todos nos lembramos da historinha do 11/9, quando os aviões bateram, mataram um pessoal e o George W. Bush disse “shit just got real” e mandou o exercito dele invadir os territórios do Iraque, como mandava a missão do tabuleiro de War. Até aí beleza. Aliás, beleza nada porque não é todo dia que se vê uma porra dessas acontecendo, mas enfim. Depois de muito tempo fazendo sabe-se lá o que no Iraque, eles pegaram o Saddam Hussein e tomaram o país. Ok, sabemos disso também. E também sabemos da paranoia do país do Tio Sam, que acha que tem terroristas em toda parte. Até que aconteceu. Pegaram o Osama Bin Laden, dito líder da Al Qaeda, que é a rede terrorista que faz os EUA cagarem nas calças. Esta é a parte que fica inexplicável. Após matarem o cara, os americanos acharam que isso lhes traria paz. Caralho! O que eles pensavam que era isso? Video-game?! Nem quando você mata o Bowser do Super Mario Bros. você tem paz! Ele aparece de novo no Super Mario Bros. 2 e 3 e depois do Super Mario World! Bom, vai entender, né?

Você também pode gostar

0 comentários