L'Apollonide - Os amores e dores da casa de tolerância

por - 18:18

Falar de prostitutas e bordéis pode resultar em uma obra tanto poética quanto piegas. A naturalidade com que trata dos dois temas, e dos infinitos universos que neles se encontram, é o grande trunfo de L'Apollonide - Os amores da casa de tolerância, do diretor Bertrand Bonello (O Pornógrafo), que estreia nesta sexta-feira (27) no Cinema da Fundação, no Derby. Em São Paulo, o filme está sendo exibido na Reserva Cultural.Talvez por estar habituado a representar a sexualidade - em Tiresia, por exemplo, o diretor explora a mitologia grega do ser que é, em um só tempo, homem e mulher, a partir da transexual brasileira que tem o mesmo nome do filme - Bonello caminha com naturalidade pela casa da luz vermelha. No bordel, os sonhos e pesadelos das damas da noite se misturam às fantasias dos clientes, com resultados ora encantadores, ora extremamente dolorosos.Praticamente enclausuradas na casa onde trabalham, as prostitutas de Bonello parecem, à primeira vista, pequenos bibelôs de olhos tristes, que encaram todos os dias o peso de terem escolhido essa vida (sim, pois a maior parte delas foi parar ali por escolha própria). Essa aparente limitação que o cenário poderia acarretar é perfeita, pois traz consigo a força das limitações impostas a essas mulheres, além de abrir os olhos do espectador para todos os detalhes presentes em cena. Da pétala de rosa que cai, simbolizando a decadência do bordel, ao pavão que decora a sala, todos os elementos dialogam entre si, aumentando a sensação de veracidade.

Com uma banda sonora extremamente forte, que pontua bem as passagens, L'Apollonide retrata o momento final do "glamour" dos prostíbulos pela França, na virada do século 19 para o 20. As músicas vão da melancólica Nights in white setin, do Moddy Blues, em uma das cenas mais bonitas da obra, à agitada Bad girls, entoada por Lee Moses, passando pelos clássicos instrumentais. O resultado é uma aura sedutora, que faz juz à intenção narrativa do diretor.





Apesar de sensível, Bonello não teme expor a violência ao expectador, que a encontra na personagem mais marcante do longa, Madeleine. Interpretada por Alice Barnole, a "judia" (como inicialmente é chamada) é romântica e esperançosa, mas, ao realizar a fantasia de um cliente, acaba tendo seu rosto mutilado no estilo Coringa, e transforma-se na "mulher que ri", numa provável alusão ao romance O Homem que ri, de Victor Hugo. De uma das mais exóticas belezas da casa de Madame Marie-France, Madeleine torna-se objeto de curiosidade e fetiche que beiram a crueldade. A personagem, então, passa a ficar em seu quarto, enquanto as colegas estão com os clientes.Mesmo sendo um elemento importante e claro no filme, o lado sombrio da prostituição não é o único tom do longa, que traz também a adoração que cerca as moças. Seja no personagem interpretado pelo diretor Jacques Nolot, ou no pintor Gustave, ficam claros a devoção e o amor que os clientes sentem por elas. A obra é, na verdade, não só uma reflexão, mas, principalmente, uma homenagem às prostitutas e ao fascínio que provocam em homens e mulheres.Dolorosamente belo, o longa de Bonello é incrivelmente sedutor dentro de sua previsibilidade. E não haveria como não ser previsível, tratando-se de um tema tão recorrente. O certo é que esta é uma obra tocante, que demonstra com sobriedade, mas nem por isso sem romantismo, pequenos retratos dessas personagens, que estão presentes em toda e qualquer sociedade. Em um dos diálogos mais bonitos do longa, uma delas explica nosso maravilhamento, questionando: "Se nós não queimarmos mais, como se iluminará a noite?"





Obs: O texto acima foi originalmente escrito para o site da Revista Continente.

Você também pode gostar

0 comentários