Quatro mineiros e uma casa invisível

por - 13:12


Caso não conheça, o Câmera é uma banda de BH, que conta com ex-integrantes do Colorido Artificialmente, Moldest, Verona, Seu Garcia e monno (todas mineiras). No começo do ano passado, lançaram um EP bem legal chamado Invisible Houses e para fechar 2011 com classe, disponibilizaram Not Tourist, um novo compacto com 3 faixas.


Para começar, os caras são humildes pacas, estavam ali no meio de todo mundo, virando uma Heineken aqui, outra acolá, sem frescura, no gargalo, no meio de risadas e uma fumaça criada pelos fumantes do show na Casa do Mancha, em São Paulo, que aguardavam os rapazes com sotaque puxado pro sô irem pro palco.


A atmosfera criada pelo Câmera é das melhores, aquele sonzinho para ouvir num dia chuvoso dentro do busão vazio, sabe? Mas se quiser catar tua bike para dar um role e colocar o Invisible Houses no fone, sem problema, te garanto que será uma ótima companhia para desviar de carros e motoristas mal humorados com a liberdade alheia.




O quarteto mineiro tá afim de em 2012 dar uma volta pelo Brasil: “Ainda não há nada certo. Mas inicialmente pensamos em gravar mais um single com duas músicas, para depois começarmos a trabalhar em cima do nosso primeiro disco cheio, e esperamos em 2012 tocar muito, em vários lugares, divulgando este novo material”, diz o baixista Bruno Faleiro.


E também tem aquela, parece que a banda é igual aquele velho clichê, do “coração de mãe”, sempre cabe mais um. “Temos uma formação fixa, mas também contamos com o suporte de alguns amigos”, comenta Faleiro, “além de nós, temos um grande amigo, Henrique Cunha, que sempre está presente e toca guitarra em várias músicas e foi para São Paulo tocar conosco, o Manuel Horta, que gravou grande parte de nossos vídeos e o clipe, que toca guitarra e escaleta. Quando é possível, também temos a participação do Henrique Staino, do Fusile, tocando saxofone em uma música nova!”.


Bom, e ai, vai perder a chance de escutar uma banda que ultimamente anda ouvindo no repeat os seguintes discos: Smoke Ring for My Halo, do Kurt Vile, Helplessness Blues, do Fleet Foxes, Whole Love, do Wilco, e Innerspeaker, do Tame Impala? Se sim, vacilão, hein?

Você também pode gostar

0 comentários