Chico Science, o alquimista dos ritmos...

por - 09:05


Se estivesse vivo, Francisco de Assis França, o Chico Science,  teria completado 46 anos no último dia 13 de Março. Aproveitando este gancho junto com o aniversário das cidades irmãs Recife/Olinda a Tv Jornal realizou na semana passada uma série de reportagens chama "Chico Science, o alquimista dos ritmos".  A série foi dividida em cinco 'capítulos' e passadas ao longo da semana, cada parte abordando um tema especifico da vida do cantor. A primeira parte fala sobre suas origens, a infância em Santo Amaro, a adolescência em Rio Doce (bairro de Olinda). Legal que cita os primeiros passos artísticos dele na igreja católica e bandas marciais, além do contato com o mangue pra arranjar um troco e ir com Jorge Du Peixe aos bailes de hip-hop na adolescência, quando ambos faziam parte do grupo de grafitti Legião Hip Hop e da banda Orla Orbe com o Lúcio Maia, mas no geral não tem nada de novo. A segunda parte fala de como se uniu e se criou o movimento Manguebit, HD Mabuse fala do Bom Tom Rádio, banda que teve com Chico, até toca a versão da música "A Cidade" que eles gravaram no quarto da casa de Mabuse, em fita cassete e condições bem precárias (escute e baixe no sooundcloud). Por sinal, Mabuse foi quem apresentou Chico, Du Peixe e Lúcio (Olindenses) pro Fred Zero4 (de Candeias), mostra também que os integrantes da Nação Zumbi não eram amigos de infância e como existe a tal coincidência "magnoliana" na vida real, quando Chico conheceu o percussionista Gilmar Bola Oito (que tocava samba reggae com o Lamento Negro) na época que trabalhava numa empresa de informática. Ou seja, estando ligado ao que se passa em sua volta e com um pouco de sorte as coisas acontecem.



A terceira parte da série fala sobre a saída do Recife e a ascensão da Chico Science e Nação Zumbi, do Manguebit como um fator importante para divulgar os problemas sociais da nossa cidade (praticamente até hoje né?). Essa parte é a mais conhecida da história, "manifesto" mangue, Abril Pro Rock, perrengue na gravação do primeiro disco e viagem pelo sudeste, o contrato com a gravadora e as viagens pro exterior. Interessante rever o modelo sanguessuga das gravoras na década de noventa, quando já estourado no Brasil, a banda tinha que passar vários perrengues pra conseguir gravar o segundo disco. O quarto vídeo talvez seja o mais interessante, mostra diversas letras que Chico deixou pós morte e foram gravadas e finalizadas por Lenine, Paralamas do Sucesso, a própria Nação, etc. É relevante ver como o músico era querido e respeitado nas várias vertentes músicas, do metal do Sepultura ao pop Paralamas e Fernanda Abreu, além de ser bastante eclético. Boa parte do sucesso do cara vinha dessa liberdade sincera que ele tinha em praticamente tudo que fazia, pouco visto nos dias de hoje, como bem diz Cannibal e Siba no vídeo: "Chico sabia que uma andorinha só não faz verão!" e tinha o potencial de catalizador do movimento, focando tudo que era importante. A última parte da serie fala do legado deixado por Chico e nela aparecem todos os bastiões da atual música pernambucana, que você pode ver todo ano no Carnaval Multicultural do Recife. Talvez a parte mais relevante ou pouco conhecida, seja a fala dos cariocas do Afroreggae e a de Pedro Luiz sobre a influência de Chico e o aparecimento de alguém realmente fazendo a diferença.







Eu particularmente acho que se Chico fosse vivo,  atualmente seria uma das maiores estrelas da MPB brasileira, mas não estaria mais com a Nação Zumbi. Inclusive, gosto mais da sonoridade da Nação Zumbi mais recente do que na época de Chico Science.  No todo, a série de reportagens é bem legal pelo resgate, mas poderia ter trazido mais novidades sobre o artista e até do legado na nova cena pernambucana independente. De qualquer forma parabéns a Tv Jornal pela homenagem ao último grande multi artista que apareceu no Brasil. Cabe o questionamento, ainda existe espaço para aparecer alguém como Chico na música brasileira?! Outra questão seria quão positivo ainda é o legado do mangue para a música e a nova cena do estado de Pernambuco?!

Você também pode gostar

0 comentários