Diário de bordo Constantina SXSW: Hello San Francisco! #5

por - 14:46


No quinto dia de relatos da tour pela gringa, os bigodudos do Constantina saíram de Nova Iorque e foram para a Califórnia. Terra de Sol, praia, skate, punk e tudo aquilo que o Black Flag cantava pra gente e o Lords of Dogtown mostrou. Bons tempos por sinal. O texto hoje ficou por conta do Lucas e você confere logo abaixo todo o perrengue dos caras quando descobriram que o valor do carro era o dobro do que tinham calculado, mas como eles são brasileiros (bem como a gente), choraram um desconto e como foi o encontro com o Victor Almeida (Festival Lab), que agora entra nessa empreitada e soma com os mineiros. Para tornar tudo mais agradável, aconselhamos ouvir Benjamin Guimarães.



By By Goodbye Blue Monday... foi assim que deixamos o árido clima acinzentado do subways do Brooklin, percorrendo durante a madrugada pelas inumeráveis estações de NY, até a chegada na 14 street, onde havíamos nos hospedados. Acreditem, não houve tempo para um cochilo: tivemos que partir direto para o vôo de San Francisco recheados de volumosas bagagens pesadas. No caminho do aeroporto ainda havia tempo para nos divertirmos com toda esta história, e de ver sete trapalhões se embolarem com todas essas "bagagens extras". Um deles chegou a esquecer a sua pequena mala de roupa suja... Mas era exatamente isto que metaforizava o que a experiência desses dias em NY trouxeram para todos: “a velha roupa suja já não lhes cabia mais”. Foi desta maneira que partimos para a bela Califórnia. Mas antes, o viajante não pode deixar de considerar a exótica paisagem do Arizona, no qual sobrevoamos por quase duas horas, com sua geografia desértica repleta de rochas esbranquiçadas pela neve, que gradualmente era substituída por um pouco de verde musgo das montanhas semicirculares da Califórnia.




[caption id="attachment_12397" align="aligncenter" width="500" caption="Mesmo de um insípido avião é possível avistar tanta coisa nova e interessante"][/caption]

Chegamos finalmente em San Francisco, do lado oposto à NY na costa americana. Então nos adiantamos para a uma área cheia de serviços de Rental Car para alugar um carro. Dentro do planejamento que traçamos ainda no Brasil, havíamos decidido que seria interessante, a partir desse ponto, alugarmos um carro e fazer todo o trajeto, que terminará em Austin, Texas, para o Festival SXSW. Seria mais barato do que o valor das passagens de avião para nós sete, e provavelmente também tornaria a viagem mais interessante. Orçamos o valor e tinhamos uma estimativa em mente: cerca de 900 dólares para todos os dias juntos, para cada veículo (seriam necessários 2). Qual foi nossa surpresa quando nos deparamos com um valor próximo do dobro do que esperávamos. Foi preciso fazer uma negociação e tanto; mas, finalmente, após algumas horas conseguimos um bom valor por um modelo tipo shuttle, uma espécie de van grande e confortável de nove lugares, para alojar toda trupe com as pesadas malas com todos os equipamentos musicais adquiridos em Nova York. E o melhor foi o valor: 900 doláres. Enfim, gastamos metade do que esperávamos. Mas nem tudo é tão colorido. Os Constantinos, acostumados com pequenos veículos e pequenas estradas, estão tendo que suar a camisa para dirigí-lo. A viagem, mesmo nas pequenas coisas, nos reserva mais um aprendizado, mesmo em coisas tão aparentemente ordinárias.



A Trupe


Resolvida essa parte, restava nossa primeira noite em San Francisco. Cansados e virados da noite anterior, resolvemos passear pela Civic Center, passando pela Japantown até chegar próximo ao Porto de Marina onde fizemos um longo tour pela a cidade a procura de uma vaga para o nosso grande veiculo. Ficamos na companhia de um jantar vegetariano no Chinese Cusine que fica entre a Steiner e Lombard, e logo já tivemos uma boa impressão da cidade: um lugar arejado e bem aberto, quase sem prédios, com casas repletas de jardineiras floridas sobrepostas em longas janelas iluminadas pelo refulgente amarelo ocre dos lustres. São fachadas bem simpáticas com um ou dois cipreste na entrada, todas elas coloridas e adornadas com uma arquitetura leve e antiga. Aqui também nos juntamos à companhia do amigo Victor de Almeida, que tivemos o prazer de trabalhar no Festival Lab de Maceió em 2011, e que veio se juntar à trupe durante nossa estada nos EUA. E claro, ainda há bastante o que conhecer sobre esta cidade. Aqui faremos uma gravação de uma faixa inédita, no qual todo o processo será transmitido em webcast (isso aí, o dia inteiro da gravação!) e também um show. Esperamos ainda ter muito para contar....


Lucas e Constantina

Você também pode gostar

2 comentários

  1. Lembrando que obstaculos servem para tornar tudo mais gostoso,desejo que vocês sigam.com sucesso, a jornada tao desejada! Abraços da Tia Helena

    ResponderExcluir
  2. Mamãe tá com sodades docês!!! Sucesso

    ResponderExcluir