#TerçaGringa: relembre a banda The Plot to Blow Up the Eiffel Tower...

por - 11:10


O ano era 2001, ainda estava meio perdido com o fim da At The Drive In quando um amigo meu foi pros Estados Unidos, mais precisamente San Diego - Califórnia. Daí ele manda um email falando de um show incrível de uma banda de nome doida da cidade, falando da demo deles e como o show era absurdamente foda. Ele se referia ao The Plot to Blow Up the Eiffel Tower, um grupo que misturava o freak jazz do Zorn com um pouco de Morphine e muito Post- Hardcore característico do Fugazi, dignos e tão insanos quanto o ATDI.  O performático vocalista Brandon Welchez, que também tocava saxofone, buscava sempre o confronto com o público, normalmente retirava suas roupas e demonstrava uma atitude extremamente erótica a até mesmo chocante. Um breve período a banda fez-se associar ao movimento nazista, utilizando braçadeiras vermelhas com um circulo branco onde se lia "PLOT" tal qual os militares nazistas, diziam ser para chocar, e provavelmente era mesmo. Existe inclusive um video absurdo de um show da banda num PUB chamado The Che Cafe em janeiro de 2003, lançando o álbum "Dissertation, Honey", veja abaixo (ou baixe o video AQUI)...



Era uma banda que visava o estrelato, os holofotes, ou que passaria completamente despercebida e poderia ser apreciada depois de uma cota. A principio pelo som caótico que proporcionavam, mas registro posteriores deixaram claro que a banda era mais que isso, além da grande personalidade performática, a sonoridade do grupo conseguiu se achar e a banda conseguiu se encaixar num estilo, mesmo que sendo apenas deles. Foram eleitos nos anos de 2005 e 2006 a melhor performance punk de San Diego, mas em 26 de setembro de 2006, The Plot anunciou através do Myspace que sua então atual turnê nos EUA seria a última da banda antes da dissolução. Seu último show foi em sua cidade natal de San Diego, eles trabalhavam num registro que se chamaria "Saviors & Suckers", porém ele nunca foi lançado. Em um breve intervalo de seis anos foram cinco registros lançados, dois álbuns cheios, dois EPs e um split com a banda Necktie Party, que contém três música da PLOT. Vamos falar dos quatro registros principais lançados pelo grupo, foram eles: Dissertation, Honey (2003), If You Cut Us, We Bleed EP (2004), Love in the Fascist Brothel (2005) e INRI EP (2006).




[caption id="attachment_13191" align="aligncenter" width="640" caption="Baixe os 4 álbuns da banda clicando na imagem!"][/caption]

O álbum de estréia da banda, Dissertation, Honey, tem 13 faixas incluindo as da demo, lançado pelo selo Happy Couples Never Last. Tem umas intros/vinhetas de jazz com poemas de Kailani Amerson recitados em meio ao disco, um som sujo onde o caos reina, uns baixos bem altos e gritos.  O segundo registro, o EP If You Cut Us, We Bleed, tem apenas três músicas, mas é absurdamente bom, também saiu pelo Happy Couples Never Last. O Love in the Fascist Brothel tem dez faixas e deve ser o disco mais bem gravado da banda, é insano, o meu registro preferido e o mais torto e desconexo. Parece um CD pensado de maneira temática, sobre política, relações humanas, foi lançado pelos selos Revelation Records e Three One G.  O último registro lançado, INRI EP apresenta três faixas, o rock sujo INRI repetida duas vezes, a segunda vem fechando o EP na versão remix feita pelo Nick Zinner (baterista do Yeah Yeah Yeah). Ainda conta com um belo cover de “Boys Keep Swinging”, do David Bowie.

Você também pode gostar

1 comentários

  1. Acho que vou amar esta banda... baixando... pelas fotos, pelos textos, pelas atitudes e principalmente pelo nome, me remeteu aos Sex Pistols... Tô ansioso pra o download acabar aqui...

    ResponderExcluir