Pode o mundo ser doce sem Salgadinho?

por - 11:09

resenha katinguele

Tem tanta coisa acontecendo na música ultimamente que dá até preguiça tentar acompanhar tudo. Vem novidade, velharia em embalagem nova, retorno de grupos antigos de sucesso, grupo de sucesso encerrando suas atividades, grupos ruins acabando, novidades acabando e no meio disso tudo o Titãs e seus membros cansadíssimos ainda tocando no show da virada. Haja fôlego, não? Mas e quando os ouvidos ficam cansados de experimentar sons novos? E quando você quer ouvir aquele som pra relaxar depois de uma longa jornada de experimentalismos auditivos com aquela nova banda de post rock da Finlândia ou daquele som todo cabeça do mais novo rapper canadense? Não sei você, mas quando isso acontece comigo, vou ouvir um Katinguelê e que tudo se foda.


Pagode é um ritmo tão simples e tão gostoso de ouvir que funciona como aquele pano de chão úmido da creche que a tia da limpeza usa quando uma criança vomita depois de tomar mingau demais. O Katinguelê (gíria vinda da capoeira para aquele que ainda é novato na ginga) fez sempre um ótimo trabalho me relaxando e me fazendo pensar em tempos mais remotos, onde tudo era não melhor nem pior, mas bem diferente do atual. E fiquei surpreso em saber que o grupo continua na ativa até hoje, porém, sem seu estiloso vocalista Salgadinho, que saiu em 2001. Ele que, sem dúvida nenhuma, é o responsável pela moda pagodeiro genérico dos anos 90, com sua combinação de calças e camisas e com a moda óculos de sol de taxista na testa tipo tiara, chinelo de dedo com calça social e do brinco com correntinha de ouro  aparecendo na camisa desabotoada até o peito. Genial.



resenha katinguele
Salgadinho: ESSE MANJA!

Sem Salgadinho, pensei: como poderia estar o bom e velho Katinguelê? Estaria pior? Estaria melhor vestido? Estaria na faculdade? Só saberia responder estas perguntas ouvindo o último álbum do grupo, de 2010, chamado Por Amor. Com um nome destes, a fórmula do pagodão anos 90 deve ter sido mantida, certo? Definitivamente. O disco traz exatamente a lembrança do pagode que era feito no tempo bom, agora para 2012, com tudo que se tem direito. Percussão, cordas, backing vocals e até mesmo os fã clubes de gordinhas espinhudas no background gritando "LINDOOOO" sem nenhum motivo aparente. Se repararmos na parte instrumental do disco, devo dizer que ela é bem satisfatória, na verdade, até supera expectativas em alguns momentos, mostrando uma maturidade e técnica aprimorada dos músicos contratados. Parabéns a eles.


Aí chegamos num ponto mais delicado. O substituto do ídolo Salgadinho. Ele faz até um bom trabalho no grupo, praticamente não me fazendo sentir tanta falta dele. Sua voz é mais grave que a do antigo vocalista, o que me causou um leve estranhamento de início, mas com o tempo deu pra assimilar as coisas. Claro, foi difícil esquecer Salgadinho, uma vez que grupos de pagode tinham a cara do vocalista antigamente. Belo no Soweto, Rodriguinho n’Os Travessos, Chrigor no Exaltasamba, Vavá no Karametade e por aí vai. Mas se tratando de vocais, não tenho do que reclamar. Aliás, na verdade tenho sim. É impossível não comparar o antigo ao novo, mas é notável que Salgadinho ganhava as plateias não só por cantar e por ter um estilo absurdamente foda, mas por ser carismático e contagiante com seu jeito irreverente. O novo vocalista tem o carisma de uma pedra. Mas ele terá tempo de trabalhar isso, provavelmente.



resenha katinguele
o novo vocalista do Katinguelê não tem carisma nem pra eu fazer piadinha com ele

Sobre as letras, não vi praticamente nenhuma diferença às antigas. Tudo parece o mesmo. Quase como se os vinte anos que se passaram desde os anos 90 não tivessem passado. Coisa de quem acabou de entrar numa máquina do tempo e está preocupado com a bateria do iPod. Não senti nem queda e nem aumento de qualidade nelas, o que é só um pouquinho decepcionante. Não esperava letras revolucionárias, mas acho que o mundo e as menininhas da vizinhança mudaram ao menos um pouquinho, tal como o approach das letras deviam ter acompanhado os novos ares do mundo. No geral, há dois detalhes bastante peculiares que me chamaram muito a atenção. O Katinguelê sempre teve uma característica de levar o pagode a um nível mais romântico (como se todos eles não fizessem isso), mas desta vez um ponto forte e um ponto fraco ficaram evidentes no disco. O ponto forte é a participação de dois monstros da música romântica, Sampa Crew e Belo! Sampa Crew, para quem não conhece, foi o grupo de R&B mais mela cueca do Brasil inteiro, o que faz com que eles sejam muito foda. E Belo é Belo, vai tomar no seu cu. Mas o ponto fraco do disco é a melancolia exacerbada. Se você ouve Smashing Pumpkins e gosta de dizer que a banda faz um som melancólico, ouça este álbum e entenda o que é uma fossa de verdade. Até para um grande nome do pagode este disco é bem tristinho, desde o tempo mais lento das músicas até às letras, que sempre foram meio deprê. Só lembrando, letra de pagode na maioria das vezes fala sobre cornos e foras tomados. Ninguém é perfeito.


Por fim, achei um disco interessante. Definitivamente, não o melhor do Katinguelê ou dos pagodes sobreviventes, mas ainda assim, interessante. Apesar de tudo, os pontos fracos do disco sobrepõem os pontos fortes, criando uma espécie de balanço natural que não me permite dizer que é um disco bom, mas nem um disco ruim. Somente recomendo a fãs de pagode antigo. Não-fãs, passem longe deste disco, não vale a pena gastar tempo ou dinheiro. Ou para os curiosos, não comecem baixando este disco do Katinguelê para conhecer o som. Comecem por “Meu Recado” ou “No Compasso do Criador”, que são discos realmente bons e que valem muito mais a pena serem ouvidos para conhecer o que é o Katinguelê. Ah, e só pra título de informação, o nome do novo vocalista é Diguinho.



resenha katinguele
MESTRÃO OITAVO DAN e faixa branca dos juniores

Nota: 5,0


Destaque: “Por Amor” (a faixa que dá nome ao álbum e que possui participação de Belo traduz bem o disco, que possui falhas, mas que traz consigo um grande potencial... ainda que não totalmente desenvolvido)

Você também pode gostar

4 comentários

  1. Realmente o vocalista pode ate nao ter tanto carisma, mas por favor, cantar o cara canta muito, entao deixe de ganhar dinheiro escrevendo essas merdas que vc escreve, pois ate isso ja ta velho. Vai fazer algo melhor com o seu tempo.

    ResponderExcluir
  2. Não sei se você sabe,mas o Katinguelê lançou um CD e DVD com o Salgadinho em 2008,intitulado "A Volta Ao Vivo" tenho ambos originais,vale a pena dar uma conferida,o Diguinho até canta bem,mas Salgadinho é Salgadinho,né?

    ResponderExcluir
  3. Diguinho é muito Melhor q o Salgadinho;isso é inveja,depois mulher q é recalcada;

    ResponderExcluir
  4. A Pessoa acima "Pry" tá sabendo bem hein ?? Diguinho melhor que o Salgado "a onde" ??
    Rs...Rs....

    ResponderExcluir