#TerçaGringa! Conheça a De Facto: a ponte entre o At The Drive In e a Mars Volta...

por - 11:09


Esses quatro jovens da foto são responsáveis por uma das misturas musicais mais explosivas que apareceram na primeira década deste século, também foram uma mistura bastante volátil.  O At The Drive In ainda existia quando Cedric Bixler-Zavala e Omar Rodríguez-López, resolveram convidar os amigos Isaiah "Ikey" Owens e Jeremy Michael Ward (engenheiro de som do ATDI e primo do Jim Ward) para formar uma banda com uma sonoridade um pouco diferente. Talvez isto já desse indício do que viria a acontecer depois, com o fim da ATDI, mas a banda começou a fazer pequenos shows após apresentações da, na época, banda mais popular. Com as influências no dub, abusando de psicodelia e experimentalismo do rock e da música eletrônica em manipulações sonoras e vocais de alta qualidade e loucura, a banda atraiu a atenção na cena, tanto que contou com participações em registros e alguns shows ao vivo do John Frusciante, na época integrante da Red Hot Chili Pepers. Na banda, a maior parte das gravações e apresentações ao vivo contava com Cedric na Bateria, Omar no baixo, Ikey nos teclados, sintetizadores e samples fodas, e Jeremy aloprando em manipulações de vocais, além de alguns efeitos eletrônicos.



São 4 registros lançados, 3 álbuns gravados no formato ao vivo em estúdio e um EP, todos com nomes ao menos curiosos, gravados e lançados num período de dois anos e com participações especiais nos discos. O primeiro deles é o meu preferido, “How Do You Dub? You Fight For Dub. You Plug Dub In.” Além do titulo fodástico, o disco ainda conta com uma das melhores músicas da banda, Rádio Rebelde, com uma bateria quebrada, teclados altos e samples falando sobre cuba e la tierra maestra, praticamente com uma participação de Fidel. Mas isso é pessoal, porque o “Megaton Shotblast!” também é muito interessante, demonstrando a fase mais cheia de reverbs e influências eletrônicas do grupo, uma aula de experimentação no Dub. As faixas Fingertrap e Descarga De Facto deixam isso bem claro, mostrando também o lado latino da banda em alto e bom som! O terceiro álbum, “Légende du Scorpion à Quatre Queues”, tem umas gravações ao vivo muito fodas e muito doidas, como em Vesica Pisces e Hoxadrine. É legal você perceber a mistura de ritmos do grupo, que viajava da salsa ao jazz em pequenos intervalos (isso se repeteria no Mars Volta).  E pra fechar tem um EP de três faixas chamado "456132015", até hoje não entendo bem o que significa esses números. Uma curiosidade entre todo o material lançado pelo De Facto é a repetição em alguns nomes ou músicas mesmo, por exemplo, Coaxial, que aparece numa versão reduzida no primeiro disco e retorna com uma versão maior no segundo, entre outras faixas.




[caption id="attachment_14717" align="aligncenter" width="640" caption="Para baixar os álbuns, clique nas artes..."][/caption]

No ano de 2002 o grupo fez uma serie de shows (vários deles gratuitos) pelos Estados Unidos, numa tour que popularizou um pouco mais o grupo e contou com o Frusciante na banda em alguns shows (aconselho irem no youtube e procurarem os videos de um show em Long Beach). Falavam até em um DVD com este show do The Smell em Los Angeles e alguns outros registros, mas isso nunca saiu! No final do ano o projeto começou a esfriar, quando foi anunciado que sairia o primeiro registro do Mars Volta, na época, a nova banda de rock do Omar e do Cedric. O Ikey também faz parte do Mars Volta, principalmente nos três primeiros registros do grupo (os melhores da banda, vamos combinar!), atualmente tem aparecido tocando com o Jack White, mas já tocou com uma pá de gente! O Jeremy Ward morreu de overdose em junho de 2003. No ano de 2007, Cedric deixou escapar em entrevista que existiam algumas gravações inéditas do De Facto e inclusive sugeriu que a banda poderia voltar pra uma tour pelos Estados Unidos, mas isso nunca aconteceu, quem sabe um dia né?!...

Você também pode gostar

0 comentários