Videogame demais mata? Só tem um jeito de descobrir!

por - 11:08

videogame demais


Quem não gosta de videogames? Bem, muita gente. Mas pra quem curte, você não gosta de passar horas na frente do bom e velho console se divertindo até sentir seu corpo perdendo a funcionalidade? Quando eu era menor, conseguia ficar grandes períodos de tempo jogando sem parar e só não ficava ainda mais porque minha mãe mandava desligar e reclamava que fazia mal pra vista e que eu ia ficar cego e surdo rapidinho. Ela tinha seu nível de razão, toda mãe têm, mas agora que sou crescido, vacinado e tenho saco pra isso, fiquei imaginando se conseguiria jogar videogame como o pequeno eu fazia antigamente, entre o fim dos anos 90 e o começo dos anos 2000.


E por que não fazer um teste? Resolvi fazer uma experiência altamente perigosa para a saúde mental, ocular, motora e espiritual, sem nenhuma razão aparente. Quando criança, costumava jogar muito videogame. Muito mesmo. Então fiz um cálculo raso, já que não manjo muito de matemática e me submeti a grandes sessões na frente do videogame só pra saber se eu ainda sou o Iron Man da nerdice aguda ou se minha idade já não permite mais os altos níveis de radiação na frente de um videogame. O jogo escolhido para me submeter ao teste na verdade não foi um, mas seis. Escolhi os seis primeiros jogos da franquia de Final Fantasy, por serem ENORMES e por exigirem muito tempo de concentração e dedicação pra se chegar longe. Em relação ao período de tempo, decidi jogar nove horas por dia durante uma semana. Tenho medo de possíveis sequelas.


PRIMEIRO DIA
Anomalias: nenhuma
Humor: bom
Relato: Total tranquilidade. O primeiro dia foi fichinha, com horas e horas de diversão. Os primeiros jogos da franquia eram bastante simples, praticamente não exigiram esforço mental. Não digo o mesmo para o esforço físico porque ainda não consigo apertar botões com o poder da mente. Consegui finalizar o primeiro jogo e chegar à metade do segundo nas primeiras oito horas da experiência. Fiquei até orgulhoso de mim mesmo, já que costumo levar tempo pra zerar jogos. Normalmente é como saborear uma sobremesa de classe. Você não a come feito um porco nojento, tem que pegar uma colher do tamanho de um cotonete e delicadamente riscar a superfície da refeição até que ela acabe.
Jogos faltantes: 1,5/6


SEGUNDO DIA
Anomalias: nenhuma aparente
Humor: tranquilo
Relato: Até aqui, tudo tranquilo ainda. Dormir se torna uma experiência levemente diferente depois de passar tanto tempo vendo pixels e sprites coloridos. Talvez seja o cansaço de outras atividades ou só frescura mesmo. Completei o segundo jogo sem maiores problemas também. É notável como o primeiro jogo é diferente do segundo e isso é uma coisa boa, pois acho que ninguém compraria duas vezes o mesmo jogo, a não ser que você seja um daqueles playboys que compram dois cartuchos, sendo um pra emprestar e outro pra jogar. Eu te desprezaria se você fosse um desses. O terceiro jogo é mais elaborado que os dois primeiros e a dificuldade vai aumentando na medida em que os pixels vão ficando cada vez menores. Os personagens ainda parecem bonecos de ponto cruz que a sua mãe faz nas toalhinhas de rosto, mas nada disso estraga a experiência.
Jogos faltantes: 2/6


TERCEIRO DIA
Anomalias: Sensibilidade ocular e motora
Humor: bichinha
Relato: As coisas começam a ficar mais difíceis. Acordei com uma pequena dor de cabeça, como se tivesse bebido vodka de embalagem plástica. Se a vodka não tivesse dado critical attack, poderia até não estar com a tal dor. O jogo também começa a ser filho da puta. As quests vão ficando cada vez maiores e a quantidade de cavernas é retardada. O jogo é legal, mas geograficamente falando, puta que pariu. Nem o maníaco do parque gostaria dessas cavernas. Outra coisa que começa a irritar são as batalhas absolutamente randômicas que pipocam no mapa. Tudo bem, é um RPG, mas como elas adoram aparecer quando seu HP e MP estão baixos! Detalhe que as trilhas sonoras são até boas, mas podem servir como tortura a partir do momento que são repetidas por nove horas ininterruptas.
Jogos faltantes: 3/6




[caption id="attachment_16000" align="aligncenter" width="400"]Final Fantasy 5 viver numa era medieval nunca me pareceu boa ideia[/caption]

QUARTO DIA
Anomalias: Olhos cansados, dor de cabeça, dor nas costas
Humor: aposentado ou pensionista do INSS
Relato: Puta que pariu, agora que vem o cão. Os próximos dois jogos especificamente serão os que drenarão minha vida como um carrapato no saco de um camelo. Final Fantasy 4 e 5, sobretudo o 5 são beeem grandes. Mas tá beleza, vamos vendo no que vai dar. Na verdade, não vendo muito. Meus olhos estão ficando cada vez mais esquisitos. Pareço estar enxergando num daqueles filtros de sonho que eles põe nos programas de televisão, pro telespectador entender que está vendo o sonho do personagem. Até pensei que fossem meus óculos que estavam sujos, mas eu teria que trabalhar como chapeiro no McDonalds pra sujar as lentes desse jeito. A leve dor de cabeça digivolveu para dor de cabeça. Sinto como se estivesse carregando livros na cabeça, pra corrigir a postura. Coisa de modelete que usa a escova de dentes pra vomitar. Não é irônico como algo que limpa a boca pode sujar ela também? Minhas costas começaram a doer. Ficar curvado tanto tempo na frente da televisão não parece uma boa ideia. Sabe por quê? Porque não é.
Jogos faltantes: 3,5/6


QUINTO DIA
Anomalias: Olhos avermelhados, dor de cabeça, flora intestinal desregulada, dor nas costas, enjôos
Humor: motorista de ônibus
Relato: Fodam-se os bits, isso já enjoou. Final Fantasy é uma série legal, mas vai se foder. Tem que ter um saco do tamanho de uma bola de basquete pra jogar do primeiro ao décimo terceiro de uma vez. Aliás, não imagino tal fato acontecendo em apenas uma semana, a não ser que você tenha tal bolsa escrotal. A dor de cabeça agora tá latejando e os meus olhos estão iguais aos de um camaleão, olhando cada um pra um lado. Tentei me encostar mais na cadeira pra não sofrer tanto com a dor nas costas, mas é o tipo de dor que todo mundo adora ter pra reclamar. Meu estômago tem reclamado um pouco também, porque não tenho comido direito. Cada vez mais sinto menos diversão em jogar essa porra. Jogar muito Final Fantasy é como ouvir muito uma banda de power metal. Se você ouve demais, é porque tem algo errado com a sua vida sexual. E o problema com a minha vida sexual atualmente é: eu não consigo achar a Blood Sword em Barrier Tower.
Jogos faltantes: 4,5/6




[caption id="attachment_16001" align="aligncenter" width="400"]Final Fantasy VI Final Fantasy é um investimento na vida... que não te trará retorno... sério =/[/caption]

SEXTO DIA
Anomalias: Olhos pixelados, poison status, cabeça pesada, atenção distribuída, coordenação motora pouco responsiva
Humor: black mage
Relato: Eu sou a espada perdida de Jack. Jogando Final Fantasy, sua vida não parece real. E nem o que eu digo parece fazer sentido. Acho que estou desaprendendo a conviver em sociedade. Meus polegares têm a firmeza de uma bunda e quando fui abrir a janela do quarto, me senti como o Conde Drácula na luz. Final Fantasy 5 é um jogo filho da puta demais, acabei pulando pro sexto que é meu favorito de toda a franquia. Tenho que ter no mínimo um estímulo pra continuar, visto que até minha mãe reparou que o filho está virando Gregor Samsa e agora passa comida por debaixo da porta pra me alimentar. Sinto-me como um usuário de cocaína, pois estou atento a qualquer barulho diferente de um sintetizador 16 bits. Já passei do meu limite faz muito tempo e acredito estar transcendendo de alguma forma. Perdi a noção do tempo e acabei criando uma bela barba de desempregado.


SÉTIMO DIA
Anomalias: perda considerável de neurônios, imune a magia de fogo, olhos inexistentes, cavaleiro sem cabeça, punhos de aço, espasmos
Humor: fã de Manowar
Relato: Agora sei como Tom Hanks deve ter se sentido ao perder o Oscar em “Naufrago”, se é que ele concorreu. Consegui finalizar Final Fantasy 6, mas ainda faltou o quinto, do qual só consegui chegar até a metade praticamente. Não sinto mais dores de cabeça, mas provavelmente porque já me acostumei com as dores antigas e agora elas não são novidade. Os olhos também não existem mais, vivem semiabertos. Já sei o que preciso fazer se quiser fazer um cosplay do Brock de Pokemon. Meu sono nesta semana foi piorando gradativamente, tornando a história toda ainda mais dolorosa. Achei que tinha sonhado que conhecia uma blue mage, mas quando me dei conta, estava assistindo a Gretchen cuidando de animais da fazenda. Não consegui terminar Final Fantasy 5, mas foda-se, os pontos de experiência desta aventura já me fizeram subir o meu nível de babaquices.


Acho que a esta altura tudo está claro para você: não jogue muito videogame. Sua mãe tinha razão em alguns pontos, mas não em todos. Apesar de minha aparência final, estou vivo, mesmo sabendo que vou precisar de um tempo pra me recuperar de tudo isso. E Esuna não me salvará dos danos. Só pra constar, se você não conhece Final Fantasy ou não joga muito videogame, provavelmente você não entendeu muita coisa, então aqui vai um breve resumo: Jogue videogame moderadamente. E não tem nada a ver com Final Fantasy, mas o kinect é uma merda, evite o quanto puder. Alguém precisava dizer isso.




[caption id="attachment_15986" align="aligncenter" width="500"]videogame demais até o gato prefere controle normal[/caption]

Você também pode gostar

1 comentários

  1. cara pois é jogo muito também..... ja joguei final Fantasy muito.......................... mesmo entre eles WoW foi oq mais piorou minha situação sair disso é meio difícil estou tentando aos poucos.Tenho a seguinte história não bebo não fumo nem uso drogas, só q o vídeo game e PC estão me matando aos poucos, o pior disso tudo é que eu sei disso mais ainda continuo a jogar.Traduzido é foda parar de jogar Rpg quando se é muito viciado. um dos primeiros sintomas mesmo é sentir raiva de qualquer coisa e por nada o resto vai se desencadeando que nem vc passou ai.

    ResponderExcluir