"Uma avenida de comentários (des)necessários"

por - 15:09

cronica novela das nove


Não, eu não pretendo falar da novela que acabou essa semana. Todos nós sabemos que ela acabou e que enquanto muitos assistiam, outros reclamavam do Brasil dar valor a coisas fúteis como uma novela. Bom, muitos brasileiros tem o histórico de gostar de diversão rala e barata como futebol, novelas e música ruim. Questionar estes gostos NÃO fará de você uma pessoa melhor. Lide com isto. E vale pontuar que eu nem assisti esta novela, portanto não saberia dizer o quanto especial ela foi. Acreditarei que ela foi coisa grossa, mas não acreditarei que a mídia internacional se interessou por ela por sua qualidade. Desculpe-me.



Comentando brevemente o que eu soube dessa novela, digo de cara que ela foi bem fundo nessa coisa de se imergir na realidade do público, explicando o porquê de ter causado uma comoção maior que outra novela no mesmo horário sobre umas patricinhas do Leblon ou uns playboys do Morumbi. Os núcleos populares eram maiores e os mais abonados eram mesclados, tornando a coisa mais comum e menos profunda no que diz respeito aos dilemas da classe B e A. Ou talvez tudo não tenha passado de uma impressão minha. De qualquer maneira, entenda que este movimento de identificação da novela com o povão de meu Deus não significa nada especificamente, a não ser que é muito mais fácil agradar um grande público do que se imagina.



O que por um lado é bom, por outro é meio ruim. Mesmo sabendo que a novela teve seu foco no povão, tentando (conseguindo, eu diria) uma identificação direta, a trama mostrou como a sociedade está meio decadente. A coisa das periguetes, o breve caso de violência doméstica protagonizado pela vilã, a legitimação da morte como castigo àquele que faz coisas erradas, a valorização do material, o machismo e a caricatura grosseira da luta de classes foram fatores que apareceram na novela e que não somente se refletem na sociedade atual como inclusive podem ser entendidas como padrões de comportamento por aqueles que não conseguem discernir a realidade fictícia da realidade real. Não acredito que este ultimo seja algo preocupante neste nível, mas ao menos digno de reflexão.



Mas afinal de contas, no que uma novela muda uma sociedade? Em nada, acredito eu. Mesmo que ela tenha tomado as proporções que tomou. Depois que uma novela acaba, sua repercussão tende a ir se dissipando, como um daqueles peidos que você dá no elevador. E por outro lado, se esta novela que acabou teve tanto sucesso, manter a audiência alta será tarefa difícil, o que pode fazer a nova novela ser um fracasso sem nem ter começado. Ou ela será a segunda de uma leva de supernovelas que dominarão a opinião popular e farão os telespectadores se tornarem ainda mais passivos e submissos a dominações iminentes de regimes ditatoriais. Ou não.



O que importa é que esta novela acabou e provavelmente não mais falarão sobre ela tão cedo. Isso é bom. Renovação é uma palavra importante, faz bem. E o melhor de tudo vai ser não ouvir mais aquele babaquinha reclamando da diversão alheia. Até porque, sem novela pra reclamar, ele vai ter que voltar a assistir CQC pra pode recuperar o senso crítico. Sem Mensalão, sem Sarney, sem novela das nove, do que você vai reclamar, sr. Babaquinha? E nesse meio tempo o mundo continua girando freneticamente. A gente até esquece disso quando diz que não vai falar de novelas e escreve um texto sobre elas.


cronica novela das nove

Você também pode gostar

0 comentários