Rob Mazurek e seus milhares de projetos

por - 15:08

Rob Mazurek


O Rob Mazurek é o cara dos mil projetos. Vem ao Brasil direto fazer apresentações sob nomes diferentes pra cacete: SP Underground (com Maurício Takara, Guilherme Granado e Richard Ribeiro), Chicago Underground Duo, Exploding Star Orchestra e agora se apresenta em SP com sua nova banda: Pulsar Quartet, que lançou em 2012 o disco Stellar Pulsations. O show rola no SESC Belenzinho nessa sexta-feira, dia 26 de outubro, e recomendamos fortemente que você cole por lá, porque o álbum tá bom pra caralho.


No Pulsar Quartet, Mazurek é acompanhado de Angelica Sanchez no piano, John Herdon (Tortoise) na bateria e Matthew Lux (Exploding Star Orchestra) no baixo. A Noropolis separou um vídeo no site deles e você pode sacar uma prévia do que acontecerá nessa sexta-feira.



Avisados dos shows, abaixo segue uma entrevista que fiz com o Mazurek no começo do ano, que por alguns motivos só chegou agora (viva a correria). Saque as ideias do trompetista e viaje no som do cara, afinal, separamos alguns discos para download logo no final do post. Não, você não vai baixar antes de ler tudo o que está escrito.


Tô ligado que você tem muitas bandas e projetos musicais, queria que você listasse e falasse um pouco sobre cada um em atividade.


Atualmente tô em vários projetos, acabei uma turnê nos Estados Unidos com o São Paulo Underground, com o Mauricio Takara, Guilherme Granado e eu, gravei um disco novo que vai ser lançado pela Cuneiform Records na primavera. O Rob Marzurek Octet está se preparando pra lançar o Skull Sessions em janeiro. Esse é um projeto que foi desenvolvido em SP com músicas gravadas no SESC e está pronto pra futuras gravações e shows em 2013. Estou trabalhando numa colaboração multimídia com a dançarina e artista visual Marianne Kim que vai ser apresentado nos Estados Unidos, e espero que em SP, em 2013. O Rob Marzurek Pulsar Quartet lançou coisa nova em Delmark alguns meses atrás e vai se apresentar no SESC Belenzinho no dia 26 de outubro, além de uma turnê nos Estados Unidos e Europa em 2013. O Chicago Underground Duo está ativo e em turnê também. Meu maior projeto, Exploding Star Orchestra vai lançar algumas coisas em 2013, sendo um deles pela Rogue Art Label e com participação de Roscoe Mitchell. Meu trio, Starlicker, está se preparando pra gravar um segundo release. E finalmente minha Opera: The Book of Sound, o qual eu vivo trabalhando... que é uma peça baseada no conceito da evolução.


Como você descreveria sua adolescência e infância? Foram tempos produtivos musicalmente?


Meus tempos de adolescente foram baseados em tentar entender novos meios de fazer música (o que eu fiz) e depois me mudei pra Chicago, onde comecei a aprender e pensar musicalmente.



Eu arriscaria dizer que sua música não é só simplesmente jazz, o que faz com que muita gente a classifique como experimental. Isso te incomoda?


Neste quesito, minha música é minha música. O que quer que digam, por mim tudo bem. Sou influenciado por tanta coisa que é impossível colocar tudo numa caixa. Eu vivo, respiro e venho criando meu vocabulário musical por anos, tentando achar um limite pra música.


Quais são suas influências mais diretas?


James Turrell, Stan Brakhage, Horatio Radalescu, Kevin Drumm, John Cage, Miles Davis... Eu sou inspirado por instâncias em que a possibilidade de abertura da mente é possível.


Qual sua opinião sobre o download gratuito de MP3?


Eu pago o possível pela música que consumo. Acho que é um modo integral de dar suporte e especialmente respeitar o músico.


Quando você tocou pela primeira vez no Brasil? Gostou da experiência?


Minha primeira apresentação no Brasil foi num quarteto antigo meu que tocou em Florianopolis… em um festival de jazz… aquela noite em particular foi meu quarteto, Nana Vasconcelos e Egberto Gismonti... foi inacreditável... e claro, depois toquei pela primeira vez em São Paulo, arranjado graças ao Mauricio Takara, e foi com o Chicago Underground Duo e outra noite solo com meu set de trabalhos mais eletrônicos. Foi fantástico!


E com a Hurtmold?


Também foi fantástico  Todos eles são muito talentosos e legais. Tenho ótimas lembranças. Foram bons tempos tocando com a Hurtmold, viajando e curtindo. Foi bem legal mesmo.


O que você curte de música brasileira?


Tem muita música brasileira que eu ouço o tempo todo, como o “Construção” do Chico Buarque e várias coisas do Belchior, os materiais novos do Marcelo Camelo e Mallu Magalhães. Kassin, M. Takara, Bodes e Elefantes, MDM, Chankas, Tulipa Ruiz, Objeto Amarelo, Guilherme Vaz,  e por aí vai.


Você sentiu alguma dificuldade em tocar com brasileiros? Aliás, há alguma diferença entre músicos brasileiros?


Os caras com quem toquei eram muito bem versados em todo tipo de música. Eu gosto de tocar com a ideia de que tudo seja possível musicalmente.


Rob Mazurek Skull Sessions por Lane Firmo


No fim de 2011, você se juntou com outros músicos pra fazer um tributo ao Miles Davis, que pelo que soube, você curtiu muito. Como foi a experiência?


Era mais uma homenagem ao Miles. Eu, claro, fui influenciado por ele profundamente, mas em algum ponto, você tem que seguir seu jeito de ver e ouvir o mundo e criar seu próprio vocabulário. Esse show teve oito músicos (quatro brasileiros, quatro americanos) e foi carregado e tocado ao máximo que pudemos. Gravamos as músicas e elas serão lançadas via Cuneiform e Submarine Records em janeiro. Foi uma parada bem divertida.


E tocando com tanta gente em uma pá projetos, tem algum músico com quem você nunca tocou e gostaria muito de fazer uma parceria?


Eu já toquei com Bill Dixon, Roscoe Mitchell, Pharoah Sanders, Nana Vasconcelos, Yusef Lateef e muitos outros… é difícil dizer... talvez Cecil Taylor ou Bjork.


Quais são seus planos atuais? Tem mais algum novo projeto a vista?


Muita coisa a ser lançada, começando pelo Rob Mazurek Octet: Skull Sessions, depois o novo São Paulo Underground com turnês pelo mundo, o lançamento de Of Matter Anti Matter... que é o Exploding Star Orchestra, com participações de Roscoe Mitchell tocando '63 Moons of Jupiter Suite', tem também os trabalhos do Musique Concrete e mais um Illumination Drones (vídeos experimentais envolvendo movimentos de luz); múltiplas performances do The Space In Between, que é a peça multimídia dança/vídeo/som que ainda estou completando; o Pulsar Quartet vai estar em turnê; o Chicago Underground Duo vai fazer turnês e eu preciso achar um tempo pra pintar e trabalhar no campo visual.


Lista de links


Pulsar Quartet @ SESC Belenzinho
Onde? SESC Belenzinho - Rua Padre Adelino, 1000 - Belém - São Paulo - SP
Quanto? R$24 (inteira ) - R$12 (estudantes, carteirinha do SESC e idosos) - R$6 (carteirinha de comerciário do SESC)
Quando? Sexta-feira, 26 de outubro de 2012.

Você também pode gostar

3 comentários

  1. Muito bacana dar espeço pra um cara como o Rob Mazurek, que tem tantos projetos bacanas!
    Só pra falar, o nome de uma das gravadoras dele é Submarine Records, tá faltando um "m" ali. E eu tentei baixar o Pulsar Quartet e o Abstractions on Robert D'Arbrissel, mas os links estão com problema, será que vcs poderiam disponibilizar novamente? Valeu!

    ResponderExcluir