Mente vazia num ônibus lotado: Baby boom de final de ano

por - 15:07

[caption id="attachment_18401" align="aligncenter" width="550"] Vejam bem, é uma ideia né?!...[/caption]

Não sei se vocês já se ligaram nisso, mas esses dias, quando estava em algum ônibus lotado e parado no transito caótico do Recife, que só fica pior por conta da Copa do Mundo, percebi mais uma vez um evento que acontece anualmente, o Baby Boom de novembro causado pelo Carnaval. Por Carnaval entenda todo o período de inicio de ano, que no Nordeste reúne verão e carnaval, janeiro, fevereiro e até março são meses caóticos, e é como diz o Gerasamba “depois de 9 meses vocês vê o resultado”, principalmente nos ônibus. A quantidade de jovens com bebes a tiracolo e/ou grávidas aumenta sensivelmente, principalmente se você pega os ônibus que rodam pela periferia da cidade do Recife.


Semana passada estava num ônibus que tinham três jovens, cada um com um neném de 1 ou 2 meses de vida, uma coincidência incrível e não estava acontecendo campanha de vacinação, teste do pezinho ou entregando bebes por aí, tenha certeza. Estava eu de pé, logicamente que dei a vez pra uma das que seguravam um dos rebentos, a que entrou primeiro, se lembro bem. Do nada, começa um papo entre duas delas que estavam sentadas próximas uma a outra, falando sobre as idades e locais de nascimento das crianças, essas coisas, papo meio besta. Até que uma delas solta a expressão “Carnaval é foda!” (vocês não tem ideia da vontade que tive de gargalhar, mas me segurei).


Não sei de onde vocês que estão lendo este texto são, mas aqui acontece um evento incrível no carnaval. É surreal porque o carnaval aqui dura uns três meses (no nordeste, em vários locais é assim), só pensem ai que os ensaios abertos nas ladeiras de Olinda começaram em setembro e as festas seguem até depois do carnaval. E se intensificam em final de dezembro/inicio de janeiro, pessoal de férias, arrastando o ano para o final, etc. E com essa onda de fim do mundo, a parada parece até mais grave por aqui, galera tá perdendo o senso logo de agora, pra que perder tempo né mesmo? Mas acaba não sendo fácil pra ninguém...



Além do período extra de festas, acontece um lance meio nonsense de que tudo é permitido no carnaval, principalmente entre as mulheres. Abro um parênteses aqui pra não soar machista, mas a sociedade pernambucana é extremamente patriarcal e falso moralista (de uma maneira geral) e é nessa época do ano que parece que esse moralismo é deixado um pouco de lado. Então, acontece um tal de “tirar o atraso” que é um negocio absurdo, principalmente na juventude católica e aristocrática do Recife. E olhe que essa galera rica nem anda de ônibus, eles simplesmente mandam a filha “estudar” no exterior, durante o período de gestação e até amamentação.


Então, a dica da alegria é: encape o couro, porque já tem gente demais nesse mundo! Eu sei que é difícil pensar nisso louco de goro no quengo, além de todas as outras drogas não patrocinadas, mas depois você vai ter que gastar toda grana do natal com fraldas, leite e acabar enriquecendo cada vez mais a Nestle.


Você também pode gostar

0 comentários