Roteiros fictícios descartados porque sim

por - 12:07

woody allen que se cuide


Na boa, se ainda fazem filme da Xuxa e do Didi, por que não fazer um desses? Mesmo sendo sinopses de filmes fictícios, vai dizer que ao menos um deles não seria bastante interessante de se assistir no cinema? Possivelmente não, mas se é pra jogar milhares de dólares no lixo, que seja com algo que foi feito para não dar certo. Ou com doações para o Criança Esperança e Teleton. Não garanto que aquele dinheiro todo chega para quem precisa, mas enfim. Ainda acho que um filme desses poderia ser a salvação da indústria do cinema, que agora se limita a fazer releituras de livros famosos e animações retardadas sem nenhuma criatividade. Bom, aí está o ouro, basta peneirar e botar nos dentes.


esqueceram de mim


 Esqueceram de Mim 5: Férias no Brasil – Como o Brasil está meio em alta e já fizeram vários filmes medíocres por aqui, tá na hora de levar a sétima arte a sério. Kevin McCalister, depois de tanto lidar com ladrões pastelões, vem com aquela família extremamente bem estruturada para o Rio de Janeiro para umas férias e adivinha só? Esquecem o moleque no Complexo do Alemão. O resultado? O garoto vira chefe do tráfico de drogas e não precisa mais dos pais para esquecê-lo por aí por QUATRO filmes consecutivos, promovendo uma queima de arquivo a lá Suzanne e acabando com o problema de pais relapsos e da família ausente. Ou melhor, o problema da família ausente será maior, mas quem liga pra isso quando se é um druglord? Claro, o filme não seria mais aquele mamão com açúcar de Sessão da Tarde, mas um dia o pequeno Kevin teria que crescer.


taina


Tainá 3: a Fúria da Amazônia – Para quem não assistiu os primeiros dois filmes, é muito simples resumi-los: Tainá é uma índia que evita o desmatamento da fauna e da flora brasileira junto com os animais e amigos pra lá de especiais em altas aventuras e confusões e bla bla bla. Mas a porra ficaria séria no terceiro filme, onde ela descobre que é a encarnação da deusa da floresta amazônica, dando a ela poderes sobrenaturais que devem ser usados para destruir o Brasil inteiro e devolver aos índios o direito que sempre tiveram de chutar nossas bundas para fora dessa terra. O gigante acordou! Tupã reinará sobre todo este continente e o Acre será o trono da nova ordem mundial. Gostava de fazer piadas sobre o Acre, né? Tainá estará de olho em você!


a espera de um milagre


A Espera de Um Milagre 2 – No primeiro filme, Tom Hanks era um policial que presenciou a injustiça que foi uma alma tão caridosa e amável ser condenada a morte. Nesta sequencia, Tom Hanks finalmente aguarda o milagre. Após ver seu amigo condenado à cadeia elétrica morrendo, ele espera vê-lo levantando e subindo aos céus no terceiro dia, tipo como aconteceu com aquele outro amigo de todos nós. A espera pode levar muito tempo, podendo até chegar em uma nova sequência “A Espera de um Milagre 3”, porque 3 é um número mais cabalístico que 2 e todo mundo gosta do Tom Hanks, então ninguém se incomodaria em assistir ele sentado numa cadeira esperando o amigo se levantar. Ainda que isso levasse duas horas de duração.


john qUm Ato de Coragem 2 – No primeiro filme, o personagem do Denzel Washington sequestra um hospital inteiro e desenvolve síndrome de Estocolmo em todos os reféns só para dar ao filho um transplante de coração. É tudo muito lindo, mas (SPOILER DE UM FILME DE QUASE 15 ANOS ATRÁS) ele vai preso mesmo assim apesar de salvar o filho. E por que não o moleque de 7 ou 8 anos não pode fazer o mesmo? Neste filme, o garoto que recebeu finalmente o coração tem que coloca-lo em uso e se arma até os dentes para resgatar o pai na cadeia. Desnecessário? Talvez. Sanguinolento? Pode apostar! Uma penitenciaria não é lugar para um garotinho fortemente armado, o que facilitaria muito sua investida para salvar o amoroso pai, ainda que pela lógica, o garoto recém-operado não poderia fazer muito para ajudar. Antes de qualquer coisa, o filme é sobre o amor incondicional de um filho por seu pai, certo?


acquaria


Acquaria 2 – Lembra daquele filme da Sandy e do Junior sobre a terra sem água e as pessoas dançando e cantando para sobreviver? Poucos se lembram. Por isso uma sequência seria muito adequada. Neste filme, a terra estaria completamente sem água e os recursos naturais totalmente esgotados, portanto eles só teriam energia para fazer uma das duas coisas: Se recrutar no programa espacial que visa a busca de recursos em novos planetas ou cantar uma música cafoníssima e morrer. Sabemos muito bem o que eles optariam no final, porque morrer pelo planeta é muito mais poético que sair da pendenga. Sem contar que Sandy e Junior não fazem nada relevante musicalmente desde “Abre a porta Mariquinha”, esta seria a chance da vida deles... literalmente.

Você também pode gostar

0 comentários