O flerte da cena mineira com a música eletrônica em três projetos

por - 14:11

83509613-1

A cena mineira é uma das mais ricas do Brasil. A música instrumental por lá tem cada vez mais adeptos e existe um circuito de shows por diversas cidades do estado, todas com público para consumir os diversos estilos musicais. Não, infelizmente eu nunca fui em Minas Gerais, mas esses são relatos que escuto de bandas que já fizeram tours por lá, além do fato de ser um dos estados que mais mandam trabalhos no email do Hominis Canidae para adentrar no blog. No ano de 2012 nos percebemos uma característica interessante na cena independente mineira que chegava ao nosso alcance, a constante presença do flerte com a música eletrônica (e material feito em casa, no computador) de vários projetos endereçados do estado.


Logicamente que isso vem numa crescente notada dentro do próprio estado, Marcelo Santiago, responsável pelo site Meio Desligado, em uma das mixtapes da Cena Independente, mandou um projeto bem interessante chamado OscilloID. E dentro das 14 edições do Cena Independente, ele acabou por enviar outros projetos que flertam diretamente com o eletrônico para representar o estado. Nos mesmo já demos espaço para essa cena por aqui, já resenhamos trabalhos do Psilosamples e entrevistamos o Daniel Nunes (baterista da banda Constantina) sobre a sua verve eletrônica, com o projeto Lise. Outro que já apareceu por aqui algumas vezes foi o GA com seu projeto eletroacústico Barulhista, inclusive falando sobre alguns dos lançamentos desse seu projeto. Pegamos então três dos novos projetos que chamaram nossa atenção para falar um pouco sobre eles e tentar entender um pouco mais de onde vem essa necessidade de realizar tais trabalhos. Queríamos ter tido tempo para falar sobre mais alguns, mas oportunidades não irão faltar.



Pra começar, falemos da Beat Trip, projeto do músico Julio Anarcovitch, que diz que o projeto começou a partir de criações digitais que ele colecionava em seu PC que ele resolveu olhar com um pouco mais de cuidado. Esse material foi uma saída para ele realizar um trabalho musical sozinho, após passar oito anos com uma banda. Em Pixeldônimo, primeiro EP lançado no ano passado, todas as cinco composições apresentam samplers e instrumentos tocados virtualmente, inclusive com várias falas de filmes como Árido Movie e do saudoso Alborghetti. Julio nos disse que o próximo trabalho será um pouco diferente, a ideia é inserir elementos acústicos nas músicas, além de algumas letras feitas por ele, aguardemos!



Outro trabalho bastante interessante que recebemos foi o Cloud Whale, de um guri chamado Felipe Filgueiras, que na época tinha 17 anos, mas já mostrava uma maturidade musical bastante interessante. O EP Center Square tem seis faixas, com várias experimentações eletrônicas em chillwave, em meio a paz que ele queria passar com o som. Mesmo com a pouca idade, o projeto veio da necessidade de se levar a serio musicalmente, após ter tocado baixo e bateria em algumas bandas locais. Ele se diz bastante orgulhoso com o primeiro trabalho, de ter estabelecidos metas e ter conseguido modular um som que considera interessante. Recentemente ele liberou um single do seu novo trabalho, "In Between" apresenta vocais em reverb, unidos com os beats rápidos produzidos por ele, uma variação com relação ao primeiro registro, um tanto mais calmo.



Fechando, mas não menos importante, temos o projeto MEIRA, um derivado mais eletrônico da mente superprodutora de  GA, o Barulhista. Ele minimaliza o trabalho ao dizer que se trata apenas de sobras que não entraram no Barulhista, mas vimos um pouco mais que isso. As seis faixas do EP, além da sincera homenagem ao ator que aparece nos nomes das canções, vemos uma nítida ampliação do estudo eletrônico realizado ao longo da trajetória de GA enquanto músico, diz ele que queria fazer um forró. Uma seria de colagens e samples bem encaixados com instrumentos, além de um feeling sobrenatural em alguns momentos, um exemplo disso dentro do EP é Comejevaifaze, uma aula de experimentações.

Você também pode gostar

1 comentários

  1. bem interessante essa cena...imagino esses caras discotecando na nait.

    ResponderExcluir