"O caminho da compreensão"

por - 14:01

rainbow_road


Depois de jogar videogame, tomar uma geladinha e manter diálogos inteligentes com um grupo de pessoas por um tempo considerável, gosto muito de andar por aí. Nada melhor que pegar um dia nublado, meio frio mesmo, e sair camelando pelas ruas na intenção de bater perna e pensar na vida. Dizem as línguas que Sócrates também adorava fazer isso, mas nunca fui bom com a bola, tampouco com a dialética. A noite acaba sendo a melhor hora pra se fazer essas andanças sem objetivo, pois sempre se vê algo que vale mencionar a nível de aprendizado na vida. Ou só pra contar a história e fingir que se é uma pessoa vivida e experiente na vida, afinal de contas, não é o que se faz, mas como se mostra fazendo.


Era uma noite de quarta feira quando vi algo interessante. Passava por um botecão cheio de universitários felizes e excitados quando vi um pequeno grupo de homens se abraçando. De início fiquei comovido e achei bonitinho como gente mamadona consegue ser tão receptiva a formas de demonstração de afeto tão singelas. Isto até um de seus colegas ao longe berrar incessantemente “VIADO!” e desfazer todo o momento Pokemon e constranger todos os rapazes que estavam unidos. Acabei sem entender muita coisa, mesmo lembrando que tudo aconteceu em questão de segundos, porém, é de se estranhar que uma palavra tenha mudado todo um momento de compreensão mútua.


Talvez esta nem seja uma questão de preconceito propriamente dito. Se alguém grita algo pra você, é a sua reação vai definir o momento. Claro, a não ser que mais de uma pessoa aja num mesmo padrão. Infelizmente a maioria sempre vai achar ter a razão, por isso é sempre bom tentar entender as situações e o que motiva determinadas atitudes. Fiquei com este fato na cabeça e acabei comentando com outro grupo de pessoas que conheço. “O último cara que tentou agradar a todo mundo acabou pregado num pau cruzado em forma de T”, disseram. Curiosamente, os primeiros caras que não quiseram refletir um pouco crucificaram o último cara que tentava agradar todo mundo. Mas fiquei calado. Não queria me comparar a ninguém, até porque nunca quis agradar a ninguém, a não ser por aquela garota que gostava de Pennywise na escola. E que no fim das contas nem valia a pena.


Minha opinião sobre a parada gay já foi dita antes. Resumidamente, combater preconceito com orgulho é meio complicado. Talvez esteja falando mais merda que de costume, mas acredito que de pouco em pouco esta batalha está sendo ganha. O histórico de repressão sexual, étnica ou de qualquer outra natureza se construiu graças a anos de constância e contenção de resistência. Uma vez que esta se fortalece cada vez mais, é possível que futuramente um novo padrão se estabeleça e com isto uma nova realidade. Sun Tzu e aquele livro chato que todo mundo já teve que ler um dia pra fazer trabalho de escola ou de faculdade tinham razão. Antes de se preparar para uma vitória, deve-se preparar para a luta e o melhor jeito de lutar no campo de batalha é preparar seus movimentos com antecedência. Acredito que as peças estão em jogo, tudo que precisa ser feito agora é manter a pressão de forma mais efetiva que uma parada anual e pensar no próximo passo a ser dado. Caminhar por lazer pode ser legal, mas a caminhada por si só possui um significado muito maior e só chegaremos a ele dando um passo de cada vez.


sonic


 

 

 

Você também pode gostar

0 comentários