Revisitando um clássico: a psicodelia nordestina e global do "Satwa"

por - 11:06

satwaa


Tempos atrás fui convidado para participar de um pos-tv em homenagem ao grande Lula Côrtes - na época completava um ano de sua morte terrena. Digo isso porque as músicas e trabalhos realizados por ele continuam bem vivos, principalmente em quem curte psicodelia. Por conta do convite, voltei a ouvir bastante o meu disco preferido do Lula, o Satwa, lançado no começo de 1973 em parceria com Lailson, sendo considerado o primeiro disco psicodélico lançado em Pernambuco e, talvez do Brasil.


O disco foi gravado todo de maneira acústica nos estúdios da extinta gravadora Rozenblit. Em Satwa, Lailson toca violão de 12 cordas e Lula toca o tricórdio, um instrumento de três cordas que dizem ter sido inventado por ele no Marrocos. Lula tinha acabado de voltar de uma viagem pelo Marrocos, Lailson recém chegado dos Estados Unidos, onde estudava. Eles se conheceram em um festival de música experimental que aconteceu em Feira Nova, interior de Pernambuco, no ano de 1972. O trabalho é todo instrumental e apresenta dez faixas com bastante experimentação, além de contar com a participação de Robertinho Recife em uma das canções. Muitos falam que o disco é um equilíbrio de músicas do oriente e ocidente, com pegada nordestina. Porém, hoje eu vejo o álbum claramente relacionado aos guitarristas do deserto.



A primeira música do disco e a que deu nome ao trabalho, Satwa trata-se da maior canção do registro e tem pouco mais de sete minutos de interação entre bases no violão e solos no tricórdio. A segunda faixa, “Can I Be Satwa”, parece uma continuação mais animada da primeira. “Alegro Piradíssimo” é de um lirismo tocante com um quê de cancioneiro popular, mesmo sem vocal. “Lia A Rainha Da Noite” é uma clara homenagem a Lia de Itamaracá, mesmo que não me remeta em nada a ciranda. “Apacidonata” é uma espécie de serenata leve e bem bonita, com algo de ambiente que é presente nos sons “pós- alguma coisa” dos nossos tempos atuais.


A partir da metade do disco é possível perceber uma equalização ou mixagem diferente nos instrumentos, com uma espécie de eco. A sexta música é a mais triste do álbum. “Amigo” tem três minutos e meio de desconsolo em um violão triste que começa sozinho e logo ganha companhia dos solos do tricórdio. “Atom” é uma música suja, a faixa que parece lembrar mais o improviso momentâneo dentro do estúdio. “Blue Do Cachorro Muito Louco” é outra música que parece transcender seus limites sonoros previstos para gravação, com direito a vocalização em gritos entre todo o instrumental. “Valsa dos Cogumelos” é, para mim, a canção mais bonita de Satwa. Ela tem pouco mais de cinco minutos carregados de uma beleza e lirismo incríveis, arrisco dizer que é a melhor música feita por Lula em sua carreira. “Alegria do Povo” é uma celebração, terminando o álbum com a leveza que todo o trabalho transparece.



Satwa é uma palavra em sânscrito que significa o estado de iluminação da consciência, que parece cair bem com a sonoridade ou o momento de vida dos músicos. O disco foi pouco divulgado na época do lançamento, virando meio que uma lenda da música psicodélica brasileira até ser relançado por um selo americano em 2005. Segundo Lailson, originalmente algumas músicas tinham letras (um exemplo é "Alegro Piradíssimo", com letra nesse video de 2005), mas que nem ele e nem Lula quiseram submeter às letras a Policia Federal (prática necessária nos tempos de ditadura). Lula Côrtes ficou bastante conhecido pelo disco Paêbirú, feito em parceria com o cantor Zé Ramalho em 1975. Lailson teve uma banda de psicodelia chamada Phetus e outras de blues e também se dedicou a carreira de desenhista e ilustrador, tendo destaque na área.


Pra quem quiser conhecer mais a carreira do Lula Côrtes, além do Satwa e do Paêbirú, também disponibilizamos o disco O Gosto Novo da Vida, lançado por ele em 1981. Baixe os três álbuns e uma coleta foda de psicodelia neste link.


Lula e Lailson - 1973 - 2005

Você também pode gostar

1 comentários

  1. Muito boa a matéria! Muitas referências para explorar.

    ResponderExcluir