#TerçaGringa –> Repitam comigo: BAL – MOR – HEA

por - 11:08

balmorhea-live

Balmorhea é um ótimo grupo de música instrumental formado em 2006 na cidade de Austin, no Texas, Estados Unidos. (Sim, a mesma cidade da Explosions In The Sky, o que faz você se perguntar, o que tem na água de Austin?). A banda se diz minimalista e citam nomes como John Cage como referência, além de nomes da música clássica popular, como Ludwig van Beethoven. Desde o primeiro trabalho lançado em 2007 até o mais recente, de 2012. O conjunto já lançou oito registros, sejam eles EPs, discos cheios e até um trabalho ao vivo. O uso de instrumentos acústicos como violino e o violoncelo, bem misturado com elementos de corda como pianos, banjos e violões é um dos grandes trunfos da banda.


Existe toda uma ambientação que faz com que o ouvinte adentre o universo sonoro da Balmorhea e isso acontece em todos os trabalhos do grupo, porém de maneiras distintas. No disco Constellations, lançado em 2010, constantemente vemos uma troca entre piano e elementos acústicos, com destaque maior para o piano. Um bom exemplo é a faixa seis do disco, a bela canção “Steerage And The Lamp”. O registro ao vivo, Live at Sint-Elisabethkerk, lançado em 2011, apresenta músicas de todos os trabalhos anteriores da banda. Termina sendo um apanhado das melhores faixas deles, com toda dramaticidade que as mesmas pedem ao vivo. Tem um show de quase uma hora e meia deles no youtube, realizado num espaço em Moscou, Russia, nesse ano. Veja que foda...



O último disco deles, Strange, é um dos melhores trabalhos que ouvi de 2012. Porém, só me dediquei mais atentamente a ouvi-lo neste ano de 2013, enorme vacilo meu! Vacilo, pois a primeira canção do registro, “Days”, está no meu player constantemente desde seu lançamento prévio ao disco, no formato de single. É um dos melhores oito minutos musicais que tive no ano de 2012 e este post é também uma tentativa de concertar tal erro. “Jubi” é outra pedrada, uma bela música com base na guitarra, que desenvolve-se com calma ao longo de seus quase cinco minutos. Ao longo das 10 faixas, Strange deixa claro o quão em sintonia se encontra o conjunto, onde todos os instrumentos (inclusive a voz) entram no momento certo. Por falar em momento, esse é uma boa época para o grupo aparecer aqui pelo Brasil, hein? Já que estão em tour divulgando o novo trabalho.



Fechando mais uma singela dica de som gringo que todo mundo deveria dar atenção, eis o link do torrent com TODA DISCOGRAFIA do grupo, incluindo os belos videos lançados por eles ao longo desses sete anos de existência. E por favor, provem para o mundo que brasileiro não é egoísta e sabe utilizar o torrent, compartilhe o mesmo pelo menos até completar o ratio de um após o download. Boa viagem...

Você também pode gostar

0 comentários