Filmes para assistir com a sua família

por - 11:06

Pink Flamingos


Nós somos uma galera totalmente família. Esqueça as coberturas das manifestações e nossos textos xingando todo mundo, principalmente umas bandas indies chatas pra caralho. Gostamos de cinema também. Daí, num belo rolê pela rua, fiquei pensando: por que não juntar esses dois gostos? Digo, seria uma boa ideia separar uma lista de filmes para que as pessoas reúnam sua família no sofá de casa, num sábado a noite sem rolê ou no domingo a tarde enquanto o Kleber Machado tá lá, com aquela narração ruim pra caralho dele. Pois bem, eu o fiz.


Fiz uma busca nos meus portas-CDs com marcas de aparelhos de som (AIWA, Pionner) e aquela clássica caixinha do Play Station 1 para desenrolar esses filmes aqui. Sou meio acumulador e tem coisa que provavelmente não vou mais encontrar, como o Julien Donkey Boy, o qual passei quatro dias baixando com o pc ligado direto no DreaMule, para no final das contas, apagar sem querer, porque tava seedando num cliente de torrent. Vejam bem, ser comunista nem sempre é legal.


Enfim, abaixo segue esses filmes que acreditamos piamente que são os melhores para assistir com seus pais, avós, tios, tias, sogros e sogras e como sabemos que o que vamos falar não importa muito, vocês vão vir na sede procurando link pra download, zipamos tudo, com legenda e torrent compatíveis com o release do filme. Caso você esteja em 2013 e ainda não saiba usar esse tipo de protocolo, por favor, saia da internet agora. Quando voltar, clique neste ótimo tutorial.


 

Begotten: a sinopse disso parece bizarra mas é verdade. Deus se mata com uma navalha, só que ele dá origem a mãe-natureza, que por sua vez, está grávida de um bando de zumbis sem faces e idiotas e assim nasce a humanidade. O modo que Begotten foi filmado deixa tudo mais estranho


Cannibal Holocaust: se o filme fez um pessoal achar que de fato todas as cenas eram reais e que isso era um snuff, bom, não tem o que falar. É só pegar a pipoca, chamar a tia, o primo mais novo e curtir todas as aventuras desse maravilhoso clássico do cinema B (ou C? Ou D? Ou E?).


Ichi, The Killer: eu assisti essa obra-prima japonesa com a minha mãe. Ela dizia apenas uma coisa, durante o filme todo: "eita, porra". Eu creio que é exatamente isso o que o filme transmite: E.I.T.A. P.O.R.R.A.


Julien Donkey Boy: há uma cena muito família neste ótimo longa feito por Harmony Korine. Mas para não ser spoiler, assista. Ele é bem família, afinal, a trama é a seguinte: Julien é um garoto esquizofrênico que engravida a própria irmã e enquanto isso, seu irmão treina para ser um lutador de batalhas greco-romanas e seu pai ouve um delta blues com máscara de Zyklon B.


Pink Flamingos: esse John Waters é legal demais. Aqui tudo gira em torno de uma pseudo-competição para ver quem é "mais escroto" envolvendo a drag queen Divine e uma família bem bunda mole. Scat, incesto e sexo com uma galinha. Este é o mundo.


Salò, 120 Days of Sodom: Não consegui terminar de ver isso. Não tenho lá muito estômago para assistir coisas envolvendo scat, ainda mais quando a cena demora mais que dois minutos. Mas me disseram que é foda.


Antichrist: "É um filme pornô ou só violência?", diz minha mãe. Von Trier tava na maior deprê quando fez isso e ninguém entendeu porra nenhuma, mas tem a mina cortando seu próprio clitóris, o que por si só, já vale um bom play.


Idiotern: Lars Von Trier de novo, mas dessa vez dentro daquela proposta do Dogma95. Uma par de gente de classe média-alta resolve se comportar que nem idiota. E por quê? Porque o mundo é idiota, porra. Cenas de sexo explícito novamente.


Topio stin omichli: esse longa parece uma bosta, mas há uma cena em particular que é muito chocante e sem mostrar nada. A história é a seguinte: duas crianças na Grécia saem para encontrar seu pai de trem e ficam nessa. Só que rola uma das mais fortes apresentações de estupro envolvendo uma menor de idade que eu já vi. Não mostra nada, mas você imagina tudo.


Tumblr


 

Você também pode gostar

0 comentários