"Um rolezinho nunca foi tão revelador"

por - 16:12

role


Quando eu era moleque, fazia coisas de moleque. Por que senti a necessidade em falar isto? Não sei, talvez para me aliviar da culpa que posso sentir pelas coisas que hoje não faria. No fim do dia, maturidade é se esconder atrás da pseudo-sabedoria de alguém mais velho que não se permite a agir de formas que outros não agem. Ou algo semelhante a isso. Obviamente, me orgulho de praticamente tudo que fiz um dia, no entanto, o que pudesse fazer de diferente, faria. Estamos falando de algo que nos faz questionar sobre nossas atitudes num dado período de tempo de nossas vidas, então não faria sentido cobrar certos comportamentos sem antes ter certas perspectivas.


Das coisas de moleque que fiz, muitas delas causavam o estranhamento e possivelmente até o repudio daqueles que observavam ao longe. Agir como sábio sempre será muito melhor que ser sábio. E nem dá pra dizer que eram atividades criminosas, dignas de apologia ou imbecilidades do mais grosso calibre. Ser moleque é sempre difícil por nunca se ter o mínimo de credibilidade, independente do que se faz. Tal qual a molecada que faz os “rolezinhos” é discriminada por ser molecada. Porque subitamente se você faz um flashmob, você é um vândalo. O que diriam as mães dos jovens universitários que participam das guerras de fruta podre?


Ouvi tanta gente dizendo que o movimento não era legítimo pela aspiração política não ser o foco. Engraçado, quando quero comer um bolo de chocolate, o foco não é matar a fome mas comer o bolo de chocolate e tais propósitos não se anulam. Ok, o exemplo pode não ter sido o melhor, mas se todo mundo pode escatologizar, por que não eu? Esse papo de esquerdista e direiteiro está fora de controle, pois o “caos social” está instaurado desde que começamos a concordar com o fato de que desigualdade social se discute apenas quando um lado se manifesta agressivamente. Sim, acho o rolezinho agressivo. Por outro lado, não o veria tão eficaz como de fato é. Um monte de gente enfileirada e falando baixinho não chamaria tanta atenção como chamou do modo que foi. Cordialidade em um protesto? Só se servirem o chá das cinco junto!


Fico feliz que um flashmob tenha finalmente chamado tanta atenção. Porque no fim das contas, se foi combinado pela internet, possui um público alvo jovem e todos tomaram a mesma atitude, eu aplaudo a assertividade deste evento internetesco que deu e muito certo. E é inocentemente que um protesto com tom de brincadeira deu certo. O fundamento deste acaba nem sendo importante, pois a mobilização pelo simples fato de dar um rolê nos apontou um rolê muito maior a ser feito. O do estigma social dos que não podem fazer seu “rolezinho” em um lugar dominado por aqueles que de fato não conhecem as demais realidades de seu país. Pode até incomodar, em qualquer sentido possível, mas assim estamos. E você, vai fazer o que? Se emputificar com o jovem que ouve "péssima música" e se comporta como animal em seu lugar de lazer ou talvez a real definição de lazer para aqueles que sofrem com o poderio da massa jovem maloqueira e inocentemente subversiva?


rolz

Você também pode gostar

0 comentários