Conheça o selo Ripohlandya que vai relançar os vinis da Ave Sangria

por - 11:08

AVESANGRIA_imagem principal

Ripohlandya é o nome de uma comunidade hippie no Recife onde alguns integrantes da Anjo Gabriel moraram. De lá, eles tiraram o nome para criar um selo de música em 2011 e lançaram os dois discos da banda em parceria com outros selos do Brasil e do mundo. Agora, o Ripohlandya abre as portas para outros grupos, relançando trabalhos psicodélicos brasileiros importantes que povoaram a cabeça da geração dos anos 70.


No próximo dia 2 de setembro (terça-feira), às 20h, a banda Ave Sangria retorna ao local em que fez um dos melhores shows de sua carreira, o Teatro Santa Izabel em 1974. Por sinal, este show histórico e o disco clássico da Ave Sangria estão sendo relançados pelo selo Ripohlandya com uma nova edição em Gatefold e vinil de 180g, com áudio remasterizado a partir do original. Os ingressos para a apresentação estão esgotados, mas você pode adquirir os vinis, kit promocionais com camisas e até os CDs da Ave Sangria no site do selo.


Para quem não conhece, a Ave Sangria é um dos totens do rock psicodélico brasileiro e nordestino dos anos 70, com vocais de Marco Polo e letras incisivas sobre a vida, os problemas e os delírios dos jovens que viviam naquela época. Lançaram apenas um álbum, mas ele faz barulho até hoje.



Para entender este novo momento do selo pernambucano, batemos um papo com Cristiano Ras, guitarrista da Anjo Gabriel e uma das cabeças do Ripohlandya


O nome me remete diretamente a hippie e aquela onda psicodélica antiga que a Anjo Gabriel faz tão bem. É este o norte que o selo está seguindo ou estou viajando?


O nome vem de uma comunidade que eu e Marco moramos na época da faculdade era também uma feirinha que se reunia entre o prédio de filosofia e o centro de artes da UFPE, onde a galera vendia lps, livros, roupas, artes plásticas. Nos vendíamos lps duplicatas da nossas coleções, foi nessa época que sacamos pela primeira vez os lps do udigrude recifense, Ave Sangria, Paebiru etc.


O selo não pretende se prender a um estilo especifico, ele foi criado em 2011 com o intuito de lançar nosso primeiro LP "O Culto Secreto do Anjo Gabriel", lançamos também o segundo LP "Lucifer Rising" este em parceria com selos de São Paulo e da Itália. Os lançamentos do Ave Sangria serão nossos primeiros lançamentos que não são do Anjo Gabriel, e pretendemos relançar tudo que acharmos interessante e que seja condizente com nossa proposta estética, que é de priorizar o lado analógico, orgânico, da produção musical e não um estilo especifico. O selo a longo prazo também poderá lançar bandas novas.


Por que criar um selo de música? Já que vocês são bem relacionados com outros selos e já lançaram vinis. É um selo exclusivamente pernambucano?


O selo foi criado para lançar o primeiro disco do anjo Gabriel. Mas só agora estamos focando na divulgação do selo como um iniciativa autônoma.


Não vai ser um selo exclusivamente pernambucano, os próximos relançamentos serão de bandas do sudeste, mas com certeza nos interessa relançar discos clássicos de Pernambuco e não só dos anos 70.


Vocês estão relançando o aclamado disco do Ave Sangria dos anos 70 e além disso também irão lançar o ao vivo feito no Teatro Santa Izabel em 1974, Por que começar com a Ave Sangria?


Porque somos fanáticos pela banda, e nas turnês do Anjo Gabriel no Sul/Sudeste sempre éramos bombardeados com perguntas sobre o disco do ave Sangria, percebemos que esse disco tinha uma demanda muito grande por parte dos lojistas e colecionadores de vinil. O áudio do Perfumes Y Baratchos pode ser considerado inédito pelo fato de que nunca foi transformado oficialmente em disco, embora tenha circulado na internet os mp3. De qualquer maneira esses arquivos circulavam de maneira errada, havia uma inversão entre o lado A e o lado B da fita, além de que havia uma música que nunca esteve nesses arquivos que é Grande Lua de autoria de Paulo Rafael. Colocamos ela no soundcloud do selo.


Acredito que a importância estética do disco está bem acima de grande parte da produção brasileira dos anos 70, coloco o Ave Sangria junto com os Mutantes e Novos Baianos como as bandas esteticamente mais avançadas daquela geração, esses relançamentos tem o intuito de corroborar e propagar esta visão.


Já existe algum outro lançamento sendo preparado pelo selo após este?


Sim! já temos planejado os lançamentos que pretendemos fazer para o ano que vem, mas não podemos divulgar ainda.


As bandas podem fazer contato com o selo, para lançamento?


O selo nessa fase inicial estará focado apenas em relançamentos de LPs raros da música brasileira.


Vi no site que o selo tem apoio do funcultura. Queria saber se pra vocês, os editais públicos são necessários para se ter um selo hoje em dia?


Na verdade o apoio do Funcultura é so para os relançamentos e show do Ave Sangria. Ter ligação com editais públicos, vai depender do tipo de trabalho que o selo pretende desenvolver, no caso do Ave Sangria o projeto se encaixou no funcultura, pelo caráter de revalorização da cultura local, se fosse outra banda que não tivesse estas características o projeto provavelmente teria que ser feito de outra forma, então os editais são importantes tanto quanto outras iniciativas como crowdfounding, parcerias com outros selos, estúdios.


banner-01

Você também pode gostar

1 comentários

  1. Amanhã estarei lá pra sentir meu coração sangrar de emoção!

    ResponderExcluir