#TerçaGringa: O Ghosts and Vodka faz math rock

por - 12:06

Ghosts and Vodka

O Ghosts and Vodka é um grupo de uma época em que os antigos membros de várias bandas emos dos anos 90 começaram a se aventurar no meio do rock instrumental, e do que chamamos de math rock. Ao contrário de muita coisa ruim que saiu naquele período, Erik Bocek, Sam Zurick, Scott Shellhamer e Victor Villareal conseguiram absorver um pouco da vida e de todo o mundo para fazer música que não seja cantada e não encha o saco.

A carreira dos caras foi curta, com apenas um EP e dois discos, Precious Blood, o clássico do fantasminha bebendo uma garrafa de vodka e Addicts and Drunks, pouco lembrado pelos fãs, mas igualmente bom. Vale lembrar que a banda é formada por 2/4 do Joan of Arc (Erik Bocek e Sam Zurick) e por ex-membros do Cap'n Jazz (o Sam Zurick de novo e o Victor Villareal).

Como a internet é essa fábrica de downloads com anúncios, links que te redirecionam e o Soulseek às vezes consome muito do HD quando abre, coloquei os dois álbuns lançado pelo Ghosts and Vodka no mega, pra que qualquer um baixe enquanto durar.

Você também pode gostar

3 comentários

  1. Paulo Marcondes, vc mencionou algo que sempre me despertou curiosidade: "época em que os antigos membros de várias bandas emos dos anos 90 começaram a se aventurar no meio do rock instrumental". No Brasil, se pegarmos, por exemplo, a experiência do Hurtmold, poderíamos ampliar a coisa: o processo de migração de integrantes de bandas de hardcore, hardcore melódico, para o instrumental ou, se quiser, para o post-rock. Tenho curiosidade mas não manjo nada do assunto. Alguém já escreveu/falou sobre isso? Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Então, pelo o que me lembro nunca vi algo relacionado a isso, mas é algo que a gente pode ir notando. Talvez seja a evolução de cada um mesmo, sabe? Por exemplo, o Kiko Dinucci, que hoje toca no Meta Meta e faz o que chamam de \'nova mpb\', tocava no Personal Choice com o Nenê Altro no começo dos anos 90. Aqui dentro a cena instrumental também tem disso, o pessoal do Constantina, se não me engano o Daniel, veio de uma banda chamada Libertinagem, que era um punk estranho, mas bom pra caramba.

    ResponderExcluir
  3. obrigado pela resposta.
    chutando daqui, ainda acho que é um bom tema a ser explorado...

    ResponderExcluir