Rebordos de uma Lua Azul em sexta feira

por - 11:04

464px-Werwolf

Ao abrir o poro lateral
pequena salinizada excreção corpórea
escorre pela órbita esquerda.

Desce através da epiderme facial

[a descrever enorme elíptica carreira
tão cocainômana quanto o pó restante
acima do fotograma velho
a mostrar uma estrada andaluziana]

velocidade em seus pseudópodes falsos
era desconcertante.

Uma pequena gota
mais nada,
face ruborizada,
suor alojado no cabelo & cefaleia pré-derrame
jamais inexistente
enquanto respirasse naquela noite.

A lágrima então transcreve uma curva para o lado direito do pescoço,
abarrota de sal uma das passagens carótidas
desce desavergonhadamente o terço inicial do esterno.

Enquanto isso,
agulha alojada na metade do antebraço
abre um sulco de horror,
possivelmente gotejará sangue pela mesa
mero detalhe.



A lágrima ainda assim descia,
enquanto a fossa nasal
entupia amargamente.

Descia em descontrole agora,
sem respeito à anatomia.

O sangue explode da ferida aberta no braço,
goteja pelo bico do seio
assim uma parede está criada
para que a lágrima não passe.

Mas ela é violenta,
determinada e inodora.

Resvala na hemácia perdida
tumescer horizonte epidérmico marrom,
despeja feromônios pela gota vermelha
e enfim consegue penetrar o sangue.

Um pênis latejante cai
pela borda pseudópica salinizada
arrasta consigo clitóris sanguíneo.

O roçar é visceral.

A narina suga o amargo da língua adormecida
mais profundo ainda instala-se o pênis lacrimal.

A hemácia treme,
sorri chumbo
aos poucos parece querer desfalecer.



Clama o fim da penetração,
mas a lágrima parece não possuir ouvidos.

Estoca, arranca pequenos pedaços de pele vaginal
seca a hemoglobina. O sangue morre enfim...

a lágrima então permanece inerte
o pulsar peniano diminui
até que como um macho aracnídeo,
perde seu membro
sua vida evapora-se em outra substância...

Foi quando descobriu-se monstro
atolado em vida
pós moderna...

Você também pode gostar

0 comentários