Os 10 artistas que mais escutei no último ano segundo o Last.fm

por - 12:18

lastfm
Quando o Last.fm apareceu, achei a ideia genial e aderi sem nem pensar direito. Sempre tive um pé atrás com redes sociais e demorei para fazer parte de boa parte delas. Porém, o intuito de reunir as pessoas pelos gostos musicais parecidos, pra mim era algo foda. Associar-se por meio da música sempre foi uma de minhas vontades e vendo os sons ouvidos pelos outros, você poderia fazer uma ligação direta com outros perfis.

Depois do Last.fm, vi a importância da tag no MP3, que esta seria a identidade musical do artista. A plataforma foi uma ferramenta importante que começou a mostrar para as bandas quem era seu público direto. Caso a pessoa tivesse um perfil, o grupo poderia saber de onde ela era, tendo uma ideia das cidades com maior ouvintes e isto é interessante quando se pensa em uma tour no circuito independente.

Fazem 10 anos que tenho perfil por lá, mesmo que não entre com a mesma frequência do início. Recentemente resolvi ir por lá ver o que tinha mudado, se existia alguma nova mensagem e dei uma olhada a quantas anda minha biblioteca musical. Uns anos atrás, acharia completamente errado, mas agora que tenho um celular desses com apps, pude sincronizar o que escuto nele com sites como oLast.fm. Sendo assim, tive a ideia de listar aqui os dez artistas mais tocados no meu perfil durante os últimos 365 dias. Eis o resultado.

© midsummer madness, 2006
01. PELVs: A banda carioca de indie rock tem mais de 20 anos de existência e é praticamente um patrimônio do rock nacional independente. Aparece em primeiro lugar com cerca de 150 audições. No último ano o grupo lançou um trabalho duplo de lados-b, isto poderia ter ajudado. Além disso, eles têm vários discos e provavelmente tenho todos em mp3. Mas vendo os sons mais escutados predominam os de Península, lançado a quase 15 anos atrás (está aí uma ideia, tour tocando o álbum na íntegra). Tive o prazer de ve-los ao vivo na primeira edição do festival No Ar Coquetel Molotov, onde comprei o Península com os integrantes. Não consigo escolher uma faixa preferida deste registro, mas a que mais tocou no site foi “Equador”, que é realmente uma das minhas canções prediletas do PELVs.

02. Jair Naves: Jair provavelmente é um dos nomes mais importantes da música independente nacional nos últimos anos. Em 2012 lançou um dos melhores discos daquela época, de nome enorme que eu nunca decorei (E Você Se Sente Numa Cela Escura, Planejando A Sua Fuga, Cavando O Chão Com As Próprias Unhas). O lirismo e a entrega nas letras são pontos fortes do artista. Olhando a biblioteca, a maioria das 120 audições são do disco Trovões a me Atingir, que saiu esse ano. A canção que mais ouvi foi “5/4 (Trovões Vêm Me Atingir)”, que junto com “Incêndios” é uma das minhas músicas preferidas do trabalho. Porém, vendo as dez faixas que mais ouvi, sete são do primeiro álbum do Jair, que é um puta disco.

03. D Mingus: Domingos Porto é um dos meus artistas pernambucanos preferidos. Além disso, ele é um amigo com quem sempre posso trocar ideias sobre música, sem contar que ele tem quatro discos lançados na carreira solo e uma compilação interessante com b-sides doideiras. Das 100 audições, mais de noventa são de Saturno Retrógrado, álbum novo do músico lançado em agosto desse ano. Saiu um faixa a faixa massa sobre o trabalho por aqui. “Carnaval Dos Sentidos” é uma canção bem pra cima e está entre as mais ouvidas. Da pra baixar a discografia completa dele lá no Hominis, aconselho muito.


04. TOE: A banda japonesa de música doideira e na maioria das vezes instrumental é uma das minhas preferidas. Neste ano, o grupo lançou um novo disco chamado Hear You, que eu não canso de ouvir desde agosto. O trabalho novo é bem diferente dos mais antigos. Eles estão menos loucos, os vocais mais presentes e as canções mais curtas. Porém a qualidade continua alta. “A Desert of Human” e “My Little Wish” são as minhas faixas prediletas e por isso são as mais ouvidas.

05. Ludovic: Provavelmente o revival ajudou nesta aqui. Este ano o grupo, um dos mais loucos do rock nacional do início dos anos 2000 completou 15 anos. Sendo assim, os integrantes se reuniram para uma tour que passou por Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro e Recife. Quem pode ver as apresentações, constatou que a insanidade continua na banda, mesmo que as carreiras solos dos integrantes sejam bem mais tranquilas. Empate técnico entre os dois discos da banda. Empate também entre as faixas mais ouvidas, “CVV” e “Servil”, mas ouvi praticamente igual tudo deles este ano e ainda gravamos praticamente o show inteiro deles no Festival No Ar Coquetel Molotov no Recife (saca aí).

SAO PAULO, SP, BRASIL, 25-03-2015, 17h09: Retrato da banda Cidadao Instigado, que lanca disco nesta semana. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress, ILUSTRADA) ***EXCLUSIVO*** ORG XMIT: _NIZ3058.CR2
06. Cidadão Instigado: Fortaleza é um dos discos do ano. “Fortaleza” é uma das faixas do ano. Se você vive no nordeste e passou um tempo morando fora, provavelmente a música representa a sua cidade também. “Fortaleza” também é um dos melhores shows que eu vi em 2015. As 80 audições da banda foram todas do disco, o qual tenho várias sons favoritos. Provavelmente é o álbum mais difícil do Cidadão Instigado, talvez por isso também o mais interessante e o menos divertido. As letras são mais complexas, o instrumental bem mais rebuscado.

07. Graxa: Este ano o Ângelo lançou o novo trabalho Aquele Disco Massa, rolou um faixa a faixa sobre o disco por aqui e pra isso ouvi bastante e com calma o trabalho. Não consigo dizer que disco tem o mesmo sucesso que o antecessor Molho, mas curto o álbum em diversos momentos. “Marcho com as Vadias” tem uma letra bem atual e uma sonoridade bacana. A ótima “Gengibre” ouço desde o ano passado, por conta do bootleg do show do Graxa no RecBeat. Ta aí uma coisa que ajuda o Graxa, ele adora gravar os shows e fazer bootlegs. A áurea rock predomina e era isso que o camarada estava procurando.

08. Fugazi: A outra banda gringa da lista (me tornei ufanista e a culpa é do Hominis). Final do ano passado a Dischord lançou a primeira demo da Fugazi e aqui estou deste então. Vários clássicos em versões um pouco diferentes das já conhecidas. Minha faixa favorita deles “Waiting Room”, numa versão meio doideira. Pra completar, neste ano o Wash fez uma compilação com bandas influenciadas pelo Fugazi. Olhe, assim fica difícil largar o osso e parar de ouvir uma das melhores bandas de todos os tempos da música mundial.


09. Câmera: bem próximo do Fugazi, os mineiros do Câmera fazem um som bem mais calmo. No fim de 2014 o grupo lançou o primeiro álbum deles, Mountain Tops, um disco bem legal e que deveria ter sido mais lembrado nas listas de final de ano. O shoegaze aparece e não sai nunca mais da banda. “Till Life Do Us Apart” é a minha música preferida, mas o trampo todo é redondinho. Não consigo tirar do player do celular e sempre que toca, aumento o som. Em tempo, foi um dos melhores shows que vi em 2015.

10. Tomodashi: Grata surpresa da lista, trata-se de um projeto de música eletrônica do mineiro Luis Israel. No começo desse ano lançou um EP chamado Segundo e não saiu mais do player. De acordo com o bandcamp do projeto, o som é formado por melodias mortas, mas acho várias faixas com uma sonoridade bem divertida. As composições são curtas, parecem vinhetas, mas com uma qualidade sensacional. A faixa que mais ouvi é “Segunda”, mas “Vespertino” com participação do Sentidor é massa também. Tem uma colagem bacana com o Sorongo em “Vista”, resumindo, escutem tudo!

Fazia tempo que não entrava no meu Last.fm, e isso serviu para relembrar um pouco dos sons que ouvi. Boa parte das faixas citadas saíram em coletas mensais do Hominis Canidae. O exercício foi massa, devo voltar mais vezes na rede social e fazer esse processo novamente. Caso esteja no Last.fm, add aí.

Você também pode gostar

0 comentários