Vitor Brauer lança versão de "Breu", do Baleia

por - 11:03

Vitor Brauer

O Vitor Brauer é um dos músicos e produtores mais inquietos da música independente brasileira. O Lupe de Lupe, sua carreira solo, os trabalhos com a Geração Perdida, o Xóõ e desde o ano passado, os contos e faixas criados com a ajuda do apoia.se que ele fez e muita gente bancou. Nesta terça-feira (2), ele lança com exclusividade aqui "Breu", cover do Baleia.

Essa música é a segunda, de 52, que integrarão um enorme álbum com versões feitas pelo Vitor Brauer. Sim, aquele cover bem foda de "Amigo dos Bichos", do Carne Doce, estará nesse disco. Para entender melhor todo esse lance de fazer um registro enorme em tempos de internet e rapidez, saber um pouco do hiato do Lupe de Lupe e entender os planos do Vitor pra 2016, trocamos uma rápida ideia com ele. Leia e ouça "Breu" abaixo.


Primeiro de tudo, como surgiu essa ideia de gravar três discos, com 52 covers? E por que fazer cover? É uma parada que muita gente não consegue engolir.

É um disco só, só vai ser dividido em três partes pra não lançar 52 músicas de uma vez só e ir lançando enquanto eu to fazendo elas. Eu sempre tive essa ideia de fazer um disco só de covers voz e violão e uma ou outra música com um piano, acho que a ideia desse disco é boa porque as duas primeiras partes do disco vão ser só de bandas novas da música independente brasileira e a última vai ser só de clássicos, de Chico Buarque a Sepultura. Mas a possibilidade de fazer foi graças à galera que me apoia do apoia.se/vitorbrauer eles que me impulsionaram a levar esse projeto pra frente, eu dei a opção pra ele de dois projetos, aí eles escolheram esse então o mérito é deles muito. Digo, vai ser uma coisa meio "panorama geral da música brasileira" que tem uma coisa de zueira mas ao mesmo tempo tem uma coisa de serviço prestado a música brasileira, por assim dizer.

Não é uma forma de provocar também? Porque um disco com 52 músicas, em tempos de internet, soa bem pretencioso.

Sim, mas provocar quem? Ninguém nem ouve meus negócios solo (risos)! Acho que soa mais como loucura do que pretensão quando ninguém te escuta.

Provocar os outros artistas, a crítica e até os ouvintes.

Tomara, claro. Mas não acho que eu faço pra provocar. Eu acho que eu faço como uma forma de agradecer a música brasileira, por assim dizer. E mostrar coisas pras pessoas também, tem muita gente que não conhece ou que não acha a música brasileira boa, ou gosta de uma coisa e não gosta das outras. É uma boa forma de provocar essas pessoas sim, se a gente pensar assim (risos).


E como rolou essa lista de artistas e músicas? Por exemplo, tem Carne Doce mas vai ter Chico Buarque. Tem Baleia, mas vai ter Sepultura. Parece ser um lance bem aberto.

Eu só fui pegando meus artistas preferidos ou gente que tem umas músicas que eu gosto demais. Mas eu também vou tentar fugir um pouco do óbvio, tipo fazer cover de "Construção" do Chico Buarque ou "Roots Bloody Roots" do Sepultura, isso aí não vai rolar. Quero tentar fazer algo que faça sentido pro conceito geral, sei lá. E ao mesmo tempo, fazer covers de artistas diversos dá outra característica pro disco. Vai ser legal colocar eles todos sob esse spectro que é a minha voz e o meu jeito de tocar violão, essas coisas. Não toco nem canto bem então vai ser no mínimo curioso.


E esse seu projeto solo, tem alguma coisa a ver com o hiato do Lupe de Lupe?

Não sei, acho que é mais uma forma de dar um tempo pras composições que eu fazia com a Lupe e fazer algo diferente dos troço que eu faço na carreira solo. Queria tentar novas coisas, a ideia de gravar só voz e violão e fazer as músicas ficarem com uma estética e virar um estilo é uma coisa fantástica, é realmente muito difícil, ainda mais quando se canta mal, se toca mal e não se tem o carisma. Eu tenho umas composições para um disco novo da Lupe que eu ia lançar nesse esquema voz e violão, mas eu resolvi guardar por enquanto e esperar pra ver se os meninos animam voltar e gravar. Então é bom que esse projeto me mantem ocupado, presta um serviço à música brasileira e ainda faz eu melhorar nas minhas técnicas de gravação e na minha imaginação e tal.

E como tá sendo essa relação com o público que te apóia no apoia.se?

Ah tá sendo ótima. Não é todo mundo que é solto pra ficar criticando e comentando todos os contos e todas as músicas que eu to fazendo. Mas tem uma galera que comenta e tal e é ótimo. As outras pessoas só querem acompanhar e ajudar mesmo, o que é perfeito também. É muito bom que agora eu posso ficar pensando e me dedicando o dia todo pra música e pro livro novo que eu tô fazendo. E eu não preciso de fazer show ou ficar viajando também, mudou o curso da minha vida de verdade.

Você sempre foi uma pessoa que lançou muita coisa, não parou. Além dessas 52 músicas e o livro, a galera pode esperar mais alguma coisa pra 2016?

Não sei. Vai sair o disco da Xóõ esse mês ainda. A segunda parte desse disco solo vai sair daqui seis meses, talvez a gente grave outro disco da Xóõ esse ano ainda, talvez eu faça a minha sonhada banda de black metal também esse ano. Quem sabe? O que é garantido é o disco da Xóõ esse mês, a primeira parte do disco solo em abril e a segunda parte em outubro eu acho.

Você também pode gostar

0 comentários