365 Girls in a Band - Review #20

por - 11:35

big-mama-thornton-drumming

Em uma semana que foi marcada pelo 2º Distúrbio Feminino Fest, e um mês que está sendo preenchido pelo Sonora - Ciclo Internacional de Compositoras em várias cidades do Brasil e algumas fora do país, uma lista de cinco compositoras, referências em seus estilos e super protagonistas em suas carreiras.

Big Mama Thornton

https://www.youtube.com/watch?v=a_At8twA4XA

Considerada a rainha-mãe do rock'n'roll, Big Mama Thornton começou a cantar através do gospel, mas logo se apaixonou pelo R&B. Original do Alabama, ela aprendeu a tocar bateria e harmônica apenas observando outros músicos. Dois de seus maiores hits, "Hound Dog" e "Ball'n'Chain", foram regravados por Elvis Presley e Janis Joplin, respectivamente, explodindo nas paradas também em suas novas versões. Além de um nome fundamental na história do rock, Thornton questionou o papel da mulher negra, questões de gênero e sexualidade, postura que levava da sua vida pessoal ao palco. Com sonoridade crua e vocais super agressivos, as gravações de Big Mama Thornton são parte essencial de qualquer discografia de rock.

Para saber mais: WikipédiaThe Handbook of TexasAllMusicEncyclopedia of Alabama

Pauline Oliveros

https://www.youtube.com/watch?v=hMEP6sX8Y6s

Do Texas e também figura de proa de um movimento musical, Pauline Oliveros aos 16 anos já tocava acordeão, trompa e tuba e decidiu ainda adolescente que seria compositora. Formada em composição pela San Francisco State College, Pauline se interessou pela pesquisa de música eletrônica, trabalhando com fitas e pesquisando muito sobre a performance ao vivo. Nos anos 80, ela retomou o acordeão e misturou várias influências, da música eletrônica a meditativa, para criar diversas peças. Oliveros é responsável pela criação de dois conceitos importantes na música contemporânea: Deep Listening e Sonic awareness. Seu trabalho é fundamental para a música eletrônica, meditativa e improvisada.

Para saber mais: Site OficialThe GuardianPauline Oliveros

Laurie Anderson

https://www.youtube.com/watch?v=mrD4aWq9Hr4

Performer, compositora, violinista, tecladista e cantora, Laurie Anderson começou a carreira como escultora, fez sua primeira performance na década 60 e nos anos 70 começou a carreira musical. Também pioneira da música eletrônica, Laurie não apenas compõe e toca, como inventou vários instrumentos para executar suas músicas. Inspiração para várias musicistas, Laurie ainda é uma figura referencial na música, seja experimental, seja pop. Nos anos 2000, foi a primeira artista a fazer uma residência na NASA. Companheira de Lou Reed dos anos 90 até a morte do cantor, influenciou muito no seu trabalho. Apesar de fazer um trampo ousado, Laurie Anderson ganhou o mundo do pop em 1981, quando o single "Superman" foi para o segundo lugar das paradas britânicas.

Para saber mais: Site OficialFacebookThe Guardian

Sylvia Robinson

https://www.youtube.com/watch?v=otGzq7eFxRw

Sylvia Robinson é uma figura referencial para a música por seu protagonismo: aos 14 anos, sob o codinome Little Sylvia, gravou suas primeiras canções; aos 18, formou a dupla Sylvia e Mickey, com Mickey Barker, com quem aprende a tocar guitarra. Dez anos depois, com a partida de Mickey para Paris, Sylvia funda, com o marido, o selo All Platinun Records, se tornando produtora musical e executiva de gravadora. Anos depois, com a carreira de cantora e compositora retomada, funda a Sugar Hill Records, selo referencial para o começo do hip hop, e que se torna um hub de criação e divulgação de cultura afro americana em Nova York. Mais lembrada por sua carreira de produtora, Sylvia, a mãe do hip hop, mostra que há mulheres de talento em vários locais do universo musical.

Para saber mais: Indie WireAllMusicWkipedia

Mary Halvorson

https://www.youtube.com/watch?v=FdtimNx9hQU

É com uma guitarra na mão que Mary Halvorson se impõe como uma das mulheres mais interessantes da música atualmente. Considerada pela revista All About Jazz a guitarrista mais original dessa década, Mary toca em diversos formatos: solo, em quinteto, em trio, em participações com outros nomes como Matana Roberts, Nicole Mitchell, Antony Braxton e Peter Evans, e em todas essas facetas, faz da sua guitarra marcante e criativa. Aos 35 anos, Mary já tem 21 discos gravados, dá aula na New School e ministra workshops na School for Improvised Music.

Para saber mais: Site OficialBandcampAll about jazz

Você também pode gostar

0 comentários