SixKicks e a negação dos bons conselhos

por - 16:40

     Foto: Welder Rodrigues

Toda manhã, eu chego no trabalho, abro o email corporativo e, antes de abrir meu aplicativo de tarefas, busco nas redes sociais se saiu algum som legal de bandas de minas. Essa é minha dinâmica para conseguir transformar o tempo de trampo regular com as pesquisas para retomar de vez o 365 Girls in a Band.

Foi um compartilhamento da PWR Records que me trouxe o ep da dupla SixKicks, que ouvi repetidamente ao longo do dia. You Should Sing in Portuguese, Buy More Pedals and Play Lower é tem um nome irônico e um som pesado e grudento. Para a minha sorte, no dia seguinte a Theo Charbel compartilhou o disco em um grupo e eu consegui fazer essa entrevista e faixa-a-faixa com ela. Com vocês, uma das melhores bandas que escutei em 2017.

Theodora, além da Sixkicks você tem/teve vários outros projetos como o Theo Charbel e as Piratas do Cerrado e projetos de fotografia e vídeo. Conta um pouco para a gente dessa carreira de multiartista?

Acho que esse lance de fazer várias coisas relacionadas a arte veio um pouco da minha família (que sempre me apoiou e influenciou) e também da necessidade de se manter financeiramente. Como sempre toquei na noite ficava difícil arranjar um emprego fixo que casasse horário com meus shows/viagens de banda, então comecei ir pro lado do freelance relacionados a produção de videos, me formei em Rádio e TV pela UFMT e desde então faço videoclipes, teasers, video artes, video instalações, fotografia de shows, cobertura de eventos porque são coisas que conversam com o mundo da música.

Estar fora e distante de grandes centros é sempre um trampo para quem trabalha com arte. Como foi o começo lá em Cuiabá e como você vê a cena brasileira em geral hoje?

Começar em Cuiabá foi o lugar perfeito pra mim, lá o meu pai sempre teve bandas de rock então a galera meio que me respeitava por causa dele, vejo muitas mulheres desistindo da música porque não se sentem a vontade nos rolês por causa dos homens (tanto público quando donos de casas de show). Também foi muito bom pra aprender coisas de palco, passagem de som, equalização, montagem, timbrar amplificador, talvez se eu tivesse chegado em São Paulo completamente inocente não teria sido tão bom.

Eu não gosto muito dessa expressão 'a cena' por que parece que estamos falando literalmente de uma cena pintadinha bonitinha homogênea, claro que temos várias bandas fodas conseguindo circular pelo Brasil e até sobreviver de música, mas cada banda chegou ali por um processo diferente. Tem gente que começou completamente do zero e rala pra tá ali, tem gente que veio de outros projetos então já tem os contatos certos, tem gente que conseguiu um incentivo de edital, tem gente que bombou na internet do dia pra noite, então acho que temos que tomar cuidado quando falamos da 'cena' porque meio que joga todo mundo no mesmo barco.

O EP You Should Sing In Portuguese Buy More Pedals And Play Lower foi lançado no fim de setembro e está sendo bem recebido pela crítica. Eu não consigo parar de ouvir. Como foi o processo de produção desde disco e por que esse nome? 

Hahah que massa! Que bom que curtiu, fico feliz! O processo de produção foi muito legal porque tivemos a oportunidade de trabalhar com a Alejandra Luciani (quem gravou e mixou), a gente já admirava ela muito porque ela gravou várias bandas fodas que gostamos e é um anjo de pessoa. Gravamos as 4 músicas ao vivo em apenas um dia de estúdio, foi muito cansativo mas não foi estressante, estávamos todos muito a vontade e em sintonia.

O nome foi meio que um deboche que fizemos com os conselhos que sempre nos dão depois dos shows. Talvez por sermos um duo de garotas a galera (geralmente homens) sempre acha que ta faltando alguma coisa e quer te falar como fazer seu próprio som, mas se seguirmos todos esses 'bons conselhos' daí o som não seria nosso, né?! Claro que sacamos o tom da pessoa quando ela realmente gostou e quer fazer uma critica construtiva, mas a grande maioria parece que vem na maldade pra te testar como musicista ou compositor, mais avalia o som do que curte ele.

You Should Sing In Portuguese Buy More Pedals And Play Lower

"You wanna fuck me"


Essa música foi uma das que mais tivemos que trabalhar pra terminar (o que geralmente não acontece), o começo veio prontinho e depois empacamos no final. A letra dela veio pronta também, parecia que já estava doida pra sair da minha cabeça.

Eu escuto muito Carne Doce e admiro demaaaaais as letras da Salma Jô, pra mim é a melhor letrista atualmente, então acho que acabei sendo influenciada pelos conteúdos explícitos e carnais dos quais ela fala (e que todos nós pensamos).

"Forrock"


Forrock é meio que um manifesto, nele além de juntar ritmos como forró, maracatu, stoner e grunge também cantamos uma letra que faz alusão a uma música regional de Cuiabá do compositor Zé Bolo Flô, a música original é:

Eu sou de Cuiabá
(Zé Bolo Flô)

"Eu vim, eu vim, eu vim
Eu vim de lá prá cá
Eu sou, eu sou, eu sou
Eu sou de Cuiabá
Terra de Dom Aquino
Me lembra os tempos de menino
Jogava peteca
Soltava iô iô
Brincava com Zé Bolo Flô."


"Take time"


Essa música fala sobre dúvida, sobre ter medo do futuro, sobre perder a fé em si mesmo. Eu sou uma pessoa muito confiante no meu trabalho normalmente, mas no mundo da música diretamente somos confrontados por pessoas que não nos levam a sério, que falam pra arranjarmos um emprego de verdade, que estamos desperdiçando nossos melhores anos de vida, e várias coisas desse gênero. Sei bem a diferença entre fama e sucesso, coisa que muita gente não sabe. Acham que sucesso é você ir no The Voice pra ficar cantando músicas dos outros, quando pra mim sucesso é conseguir me sustentar do meu trabalho.

Apesar de ter várias pessoas me apoiando e uma família incrível as vezes essas dúvidas acabam entrando na nossa cabeça.


"Doom"


Acho que Doom é o tipo de som que gostaríamos de fazer pro resto da vida. Instrumental pancada sangue nozói. Ela saiu de primeira em um dos nossos primeiros ensaios (todo ensaio sai uma música nova, algumas lembramos, outras não), a Marjorie veio com o riff pronto mas fomos construindo ela juntas, os ritmos, as pausas, até a nossa respiração parecia que estava em sincronia. Pra mim ela representa isso: sincronia. Parece meio irônico falar isso por causa do final caótico absurdo que ela tem, mas acho que até o caos tem um certo tipo de sincronia.


Você também pode gostar

0 comentários